[Dica de leitura] Um de nós está mentindo | Karen M. McManus

Cinco alunos entram em detenção na escola e apenas quatro saem com vida. Todos são suspeitos e cada um tem algo a esconder. Numa tarde de segunda-feira, cinco estudantes do colégio Bayview entram na sala de detenção: Bronwyn, a gênia, comprometida a estudar em Yale, nunca quebra as regras. Addy, a bela, a perfeita definição da princesa do baile de primavera. Nate, o criminoso, já em liberdade condicional por tráfico de drogas. Cooper, o atleta, astro do time de beisebol. E Simon, o pária, criador do mais famoso app de fofocas da escola. Só que Simon não consegue ir embora. Antes do fim da detenção, ele está morto. E, de acordo com os investigadores, a sua morte não foi acidental. Na segunda, ele morreu. Mas na terça, planejava postar fofocas bem quentes sobre os companheiros de detenção. O que faz os quatro serem suspeitos do seu assassinato. Ou são eles as vítimas perfeitas de um assassino que continua à solta? Todo mundo tem segredos, certo? O que realmente importa é até onde você iria para proteger os seus.
Jovem Adulto | Thriller | 384 páginas | Galera Record | 2018 | Amazon | Skoob
"Se tudo o que você soubesse a respeito do Colégio Bayview viesse do aplicativo de fofoca de Simon Kelleher, você se perguntaria como alguém ainda poderia ter tempo de assistir às aulas." p. 9
 Um thriller jovem adulto que promete ser uma mistura viciante de Pretty Little Liars e O Clube dos Cinco. Esse é Um de nós está mentindo, lançamento de fevereiro da Galera Record, que apresenta cinco adolescentes que terminarão uma segunda-feira na detenção pelo mesmo motivo: celulares. Bronwyn, Nate, Addy, Cooper e Simon sabem que o professor é muito rigoroso quando o assunto é celular e tecnologia, que revista as mochilas antes do início de cada aula, mas, mesmo assim, os cinco acabam aparecendo com celulares nas bolsas. O problema é que todos dizem que os celulares não são deles e que alguém planejou tudo. Como se não bastasse essa pegadinha, Simon acaba morrendo durante a detenção e todos os outros acabam sendo suspeitos. Não apenas porque estavam na mesma sala que ele durante o ocorrido, mas porque, no dia seguinte, o garoto iria postar um segredo de cada um no aplicativo de fofocas do colégio. Todos eles dizem que estavam ali graças a armação de alguém, mas quem será que está mentindo?

[Dica de leitura] O ódio que você semeia | Angie Thomas


Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.
Não faça movimentos bruscos.
Deixe sempre as mãos à mostra.
Só fale quando te perguntarem algo.
Seja obediente.
Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto.
Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.
Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.
Jovem Adulto | 378 páginas | Galera Record | 2017 | Amazon | Skoob
"Às vezes, você pode fazer tudo certo, e mesmo assim as coisas dão errado. O importante é nunca parar de fazer o certo." p. 134 
 O ódio que você semeia é um livro tão especial, tão importante e marcante, que fica difícil colocar em palavras tudo o que ele significa e tudo o que ele me fez sentir. Cogitei gravar um vídeo para o canal, cogitei escrever uma resenha que, provavelmente, ficaria bem longa, mas depois de semanas de leitura finalizada, resolvi simplesmente sentar e escrever o seguinte: vocês precisam ler esse livro!

[Resenha] Por um toque de magia | Carolina Munhóz

Depois de Por um toque de ouro, em que Emily O’Connell, herdeira de um império fashion, descobre ter o dom da sorte e fazer parte de uma rara linhagem Leprechaun, e Por um toque de sorte, em que é levada para o centro de um esquema perigoso e cruel por alguém que está se apropriando de seu dom, a jovem protagonista da Trindade Leprechaun, trilogia de fantasia contemporânea inspirada nas lendas irlandesas, luta para recuperar o que é seu em Por um toque de magia. E enquanto retoma o controle sobre seu próprio destino, Emily acaba se apaixonando, no emocionante desfecho da série, repleto de fantasia e romance.
Fantasia | 272 páginas | Fantástica Rocco | 2017 | Amazon | Skoob
"Aquela era a hora."
 Em Por um toque de ouro e Por um toque de sorte, Carolina Munhóz nos apresentou Emily O'Connell, uma jovem irlandesa que sempre teve tudo do bom e do melhor. Rica, vaidosa e mesquinha, nossa protagonista não imaginava o que estava por trás de toda a sua felicidade. Ou melhor, sua sorte. Quando a mesma é roubada e Emily precisa enfrentar dilemas inesperados em busca de amadurecimento e força, nós começamos a acompanhá-la em uma jornada cheia de descobertas e, finalmente, descobriremos o final do arco-íris em Por um toque de magia.

[Resenha] O Coletor de Espíritos | Raphel Draccon

Quando a chuva aflige o vilarejo de Véu-Vale pelo terceiro dia consecutivo, as ruas iluminadas por tochas ficam desertas; as janelas, uma a uma, se fecham; nesses dias, quem caminha pelas ruas de Véu-Vale caminha sozinho. Em O coletor de espíritos, novo romance de Raphael Draccon, um dos principais nomes da literatura de fantasia nacional, Gualter Handam, antigo morador do vilarejo e hoje um psicólogo prestigiado, se vê obrigado a retornar ao local que povoa seus pesadelos. Depois de tantos anos, ele terá de encarar antigos fantasmas e enfrentar uma força desconhecida e furiosa, numa jornada de sacrifício e redenção que poderá finalmente libertar todo um povo das garras do medo.
Fantasia | 272 páginas | Fantástica Rocco | 2017 | AmazonSkoob
"Em Véu-Vale, tudo que nasce, nasce do solo. Tudo é terra, e, como tal, apto a ser banhado. Tudo é história, viva, e o que história não é concreto, é efêmero. E o homem ama tudo que é efêmero." p. 9
  Raphael Draccon é um autor que, de forma surpreendente, sempre consegue se superar. Quando achamos que não dá mais para ele lançar um livro melhor do que o lançamento mais novo, ele vem com uma nova trama prontinha para nos surpreender de novo. Com O Coletor de Espíritos não foi diferente. Esta é uma história idealizada há alguns anos e aperfeiçoada com o tempo, de forma que podemos encontrar um misto de sentimentos e um enredo bem maduro. Gualter Handam, nosso protagonista, é um conhecido psicólogo que se viu cada vez mais distante de seu passado e, principalmente, de Véu-Vale, o vilarejo no qual passou parte de sua vida. Lá, os moradores vivem um terrível pesadelo no terceiro dia consecutivo de chuva, quando todos fecham as portas afim de evitar fantasmas já conhecidos, porém não menos aterrorizantes. Quando se vê obrigado a voltar para o local e reabrir antigas feridas, Gualter já espera que a situação não será nada confortável, porém não podia imaginar como seria decisiva para o futuro de Véu-Vale e seus habitantes.

[Resenha] A Fogueira | Krysten Ritter

Com lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, A fogueira é o livro de estreia da atriz Krysten Ritter, protagonista do premiado seriado da Netflix Jessica Jones e conhecida também por seus papéis em Os defensores e Breaking Bad, entre outros filmes e séries. Na trama, Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.

Thriller | Suspense | Mistério | 288 páginas | 2017 | Fábrica 231 | Amazon | Skoob
"Barrens tem raízes em mim. Se eu quiser que desapareça para sempre, precisarei arrancá-las." p. 11
No momento em que vi A Fogueira entre os lançamentos do selo Fábrica 231 não pensei duas vezes: esse livro precisava estar entre minhas leituras. Além de ser um thriller que parecia colocar o passado e o presente da protagonista frente a frente, este é o livro de estreia de Krysten Ritter, atriz que interpreta Jessica Jones, personagem da Marvel, no seriado homônimo da Netflix. No livro ela nos apresenta Abbi, uma mulher de vinte e poucos anos que parece ter alcançado apenas boas coisas na vida: emprego, cidade, casa, rotina, ficantes, estabilidade e etc. O que não se sabe é que, por traz de todas essas conquistas e, principalmente, da determinação para chegar onde chegou, Abbi esconde um passado cheio de feridas ainda abertas. Quando precisa voltar para sua cidade Natal a fim de participar de uma investigação, Abbi se depara não só com lembranças fortes, como com fantasmas difíceis de lidar.