Papo literário: Tammy Luciano



  Atriz, jornalista, escritora e carioquíssima, Tammy é autora dos livros Fernanda Vogel – na passarela da vida, Novela de Poemas, Sou Toda Errada e Garota Replay lançado recentemente com o selo Novo Conceito Jovem. Já foi colunista em importantes veículos de comunicação, fez curso de roteiro em Washington, D. C., trabalhou na Idea Television, além de ter feito várias participações em peças e novelas, como Uga-Uga, Laços de Família, Senhora do Destino, Caminhos do Coração, e episódios do Linha Direta e A Grande Família. 
  Tive o prazer de conhecer Tammy fazem algumas horas. Sim, vocês não leram errado! Acabo de chegar do evento de lançamento de Fernanda França aqui no Rio, e tive o prazer de conhecer Tammy e ter meu Garota Replay autografado (em breve resenha tem no blog). Mesmo antes de conhecer-la já havia percebido que Tammy é super simpática  e ao ler suas respostas da entrevista só tive mais uma confirmação.  Super carinhosa, respondeu as perguntas enviadas por leitores, e falou um pouco mais sobre seu trabalho.


Qual é a melhor coisa em ser escritora?
É ver meu sonho virar realidade. Eu agradeço todo dia porque a gente vive em um país muito difícil em termos culturais. Existe pouco apoio, pouca valorização e eu sou muito solidária com os escritores que me escrevem e ainda não conseguiram seu espaço. Porque eu sei as dificuldades. É muito difícil você ter livros na gaveta e não conseguir publicar seu original. Hoje saber que eu agora estou na minha caminhada, que demorou, mas consegui me encontrar é bom demais, porque ser escritora é emocionante. Contar histórias, ter leitores lendo, receber retorno do que escreveu é a melhor parte. Eu amo muito escrever!

Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros, qual seria?
Eu curto muito colocar música nos livros. Acho que cria uma proximidade com o leitor e eu gosto de listar as músicas que a personagem gosta e as melodias que estão envolvendo a vida dela. Em Garota Replay, por exemplo, Crash into me, do Dave Matthews Band é a cara do livro. Assisti muito o clipe da música (http://www.youtube.com/watch?v=oQ_Nf7yGxbc&list=FLz4ZWX-qNgtNE5PrAcR3LaA), enquanto escrevia. Gosto da ideia de criar um universo musical ao redor da personagem. E acho que isso é o que empresto para as personagens, elas acabam gostando das mesmas músicas que eu. Escrevendo os capítulos buscando as músicas que estão embalando as cenas.

Tammy, você era/é atriz e agora podemos conhecer seu lado escritora. Quando você começou a escrever? - Maria Luiza Ribeiro
Oie, Maria! Eu não me lembro da minha vida sem escrever. Na adolescência, quando comecei a fazer teatro, eu já escrevia. Me lembro de escrever bem nova em cadernos, agendas, contando a minha vida nas minhas anotações. As poesias, crônicas e peças de teatro foram nascendo no final da adolescência, quando comecei a escrever de maneira ainda mais intensa. Atuar e escrever são duas coisas que amo. Não gosto da ideia de ter que escolher. Me sinto atriz, me sinto escritora e apesar de ter feito jornalismo, o que menos me sinto é jornalista porque meu trabalho é muito autoral, eu passei a me colocar em posição de frente, escrevendo as histórias que quero contar, gravando vídeos para os meus leitores. Por isso, deixei no passado minha época de repórter de famosos. Eu não curtia ficar falando da vida alheia. Sempre tive um trabalho mais autoral e tinha minhas próprias coisas para contar para o público.




 Já li Garota Replay e adorei, agora quero ler seus outros livros. O que posso esperar deles? - Jéssica Machado
Jéssica, obrigada! Fico muito feliz sabendo que curtiu o livro. Você pode esperar mocinhas em conflito. Minhas personagens são sempre confusas, em crise, não sei escrever sobre princesas. Adoraria mas quando sento, começo a perceber que aquela garota da ficção está com vários problemas para eu resolver. O livro novo está quase pronto e trarei um novo conflito como tema central. Espero que os leitores comentem e gostem muito.


Perguntas enviadas para Tammy e Chris:
- Lembrando que vocês podem conferir a entrevista com Christine M. através deste link

Qual o livro mais marcante que vocês leram até hoje? -
Thatiana Leal
Thatiana, nada melhor que livros, né? Feliz Ano Velho, do Marcelo Rubens Paiva, foi o livro da minha geração. Era uma história real, mexe com os sentimentos e foi lendo esse livro que percebi que um autor podia ser brasileiro e conquistar o público. Porque até hoje o preconceito está aí. Outro dia, li em um Blog: "Poxa, ia ler Garota Replay, mas descobri que a autora é brasileira, não vou mais". Eu luto para cair por terra o preconceito bobo, de que não somos capazes de escrever um bom livro. E o melhor é que estamos conquistando as editoras. Eu sou a primeira escritora brasileira do Selo Novo Conceito Jovem e estou feliz vendo outros escritores brasileiros entrando para o Selo que é uma grande aposta da Novo Conceito. É muito emocionante fazer parte do elenco de uma editora com tanto sucesso como é a minha. E que venham muito mais conquistas para os escritores brasileiros!

 Vocês se inspiraram e momentos da sua vida ou em pessoas que conhecem para criar os personagens e momentos de seus livros?
- Carla Costa
Carla, agradeço demais sua pergunta! Escritor só escreve sobre o que viu e viveu e claro as pessoas que eu conheci, os dias que eu vivi acabam parando nos livros, mas eu tento contar mais o que me contam do que colocar partes das minhas intimidades nos livros. Um amigo me contou sobre uma ex-namorada maluca e assim nasceu Sou Toda Errada. Em Garota Replay, um dia saí para dançar e vi uma garota parecida comigo. Fiquei com essa ideia na cabeça, como seria encontrar comigo mesma e assim nasceu a minha Garota Replay. Todo o resto do livro é ficção. Então são fatos que passam por mim ou me contam. Mas eu tento contar pouco da minha intimidade, porque ia ser estranho contar detalhes da minha vida e saber que as pessoas estão lendo. Outro dia, um amigo terminou um namoro de anos e me ligou. No telefonema, ele me disse uma frase, eu perguntei se estava autorizada a colocar no livro novo. Ele concordou e a frase será dita por um amigo da personagem.

Quando estavam escrevendo compartilhavam as histórias com alguém para saber opiniões? - Bruno Silva
Bruno, oieee! O que eu mais busco opinião é com o título. É tão importante saber se minha família curtiu o nome do livro. Eu falo, se eles não gostam, eu mudo. O livro que estou escrevendo agora, semana passada estava na casa dos meus pais (é um hábito a gente ficar de papo na copa até de madrugada) e o título do livro não foi aprovado. Aí achei outro e eles adoraram. Mas a história mesmo, meu pai é meu primeiro leitor e se tem algum errinho de digitação, ele me avisa. Eu sinto que quando eu conto em voz alta a história do livro, eu entendo melhor na minha cabeça. Algumas vezes, eu conto para a minha família o que estou criando para acertar as coisas mentalmente. Eles não têm ideia como me ajudam sendo meus ouvintes.

Como se sentem ao ver seus livros em uma livraria, ou vendo alguém lendo? . - Amanda F. Mendes
Amanda, beijo para você! Então, é uma sensação maravilhosa. Sempre que vou na livraria e meu livro está lá, eu passo a mão na pilha de livros e fico pensando que o leitor vai levar o livro com as digitais da escritora. Livro é como um filho e é muito emocionante dar de cara com o sonho realizado na livraria. Quando saiu meu primeiro livro, Fernanda Vogel na Passarela da Vida, pouca gente sabia que era meu, quem tinha escrito e uma vez vi um rapaz folheando o livro na livraria mas não tive coragem de dizer que era a autora. Na Bienal de 2010, em São Paulo, paguei um miquinho básico com uma leitora. Uma moça estava lendo Sou Toda Errada e eu cheguei animada e disse: "Esse livro é meu!" Ela, sem graça, me entregou o livro e respondeu: "Eu ia comprar, mas tudo bem". Aí expliquei que era a autora e que o livro seria nosso. Hoje, eu tenho a enorme felicidade de receber o apoio dos leitores que me mandam fotos dos livros nas lojas, eu acho isso tão querido. Lembrar de mim, imaginar como aquele livro ali é importante e me mandar uma foto, acho demais!

Para vocês qual é o melhor gênero literário? - Carolina N. Rodrigues
Carolina, obrigada por estar aqui! Eu sempre amei comédia romântica, mas meus livros têm mais drama e eu não me acho muito engraçada nas histórias. Já escrevi comédias para o teatro, mas nos livros eu trabalho por outro caminho, meu contar acaba ficando mais denso. Mas eu adoro ler comédia romântica. Curto muito a Sophie Kinsella e aqui no Brasil, a escritora Leila Rego é ótima. Leiam "Pobre Não Tem Sorte", a Leila escreve muito muito bem. Acho importante o leitor se encontrar, saber que gênero ele gosta. Porque quando você curte um tipo de livro, você vai ler muito mais. Lembro na escola, quando eu tinha que ler livros que não me identificava. E só anos depois, lendo livros que tinham a ver comigo, passei a amar a leitura.

Vocês tem novos projetos em mente? Se sim, podem falar sobre eles? - Lígia Monteiro

Lígia, oie e beijo para você! Claro, sim, sim, muitos projetos. Eu amo meu trabalho, não sei viver sem, estou sempre pensando novidades. Nesse momento, minha carreira está mudando internamente. Eu mudei algumas questões burocráticas, para melhorar ainda mais a minha estrutura de trabalho e não foi uma situação fácil. Ás vezes é preciso chorar para sorrir depois. Mas eu serei sempre grata ao meu passado , ao que eu vivi e as pessoas que me ajudaram para chegar até aqui. Agora eu sinto que estou forte, iniciando uma nova fase profissional e pensando sempre nos meus leitores que merecem meu entusiasmo de continuar, acreditar e buscar.

Várias pessoas escrevem resenhas sobre seus livros em blogs ou no skoob, por exemplo. Vocês acompanham essas opiniões? - Márcia Carvalho
Márcia, tudo bem? Acompanho sim. Esse retorno é muito importante. É claro que a gente amaria que todos dessem cinco estrelinhas e eu confesso que sofro quando sei que alguém não curtiu o livro. Fico com peninha. Eu normalmente respondo a pessoa, me comunico, sendo elogio, crítica, eu acho que devo agradecer aquela opinião. A parte boa é que estou preparada para seguir, eu passei muitas coisas na carreira, momentos que as pessoas não tem nem ideia e isso ajudou a me fazer forte. Minha criação vem sempre com uma carga de questionamentos, mudanças, revoluções. Tem quem ame e quem não goste nada. O que eu tento fazer é continuar trabalhando, tentando melhorar, mas meu compromisso é com a reflexão, colocar no papel aquele questionamento que ajudará na vida do leitor... E quando leio os e-mails elogiando algo que escrevi, é inexplicável como faz bem. Assim quando uma leitora chega chorando em uma Feira, dizendo o quanto gosta de mim. É muito especial. Eu foco nisso. Claro que a gente precisa ler o que não é elogio, respeitar o que está sendo dito, refletir para aprimorar ainda mais e melhorar, mas não pode ficar se apegando ou enlouquece.

Se pudesse escolher a opinião de alguém (algum escritor, alguém que admira...) sobre seu livro, quem seria? - Márcia Carvalho
Márcia, a opinião das pessoas me importa muito e nisso incluo meus familiares, amigos, colegas escritores, blogueiros e os meus leitores. As pessoas que estão lendo meus livros mudaram minha vida para melhor. É bom demais o retorno das pessoas que me escrevem todo dia, leitoras que vão nos eventos para demonstrar que de alguma forma eu sou importante para elas, levam até presentes, pedem fotos... É lindo! Eu tento corresponder esse carinho. Durmo menos para responder as mensagens, tento responder todo mundo no Facebook, Twitter, Skoob... Me faz um bem enorme esse contato e nem saberia alguém me mandar um Tweet e eu não dar um retorno.Sobre algo que li a meu respeito e curti, cito o blogueiro Ricardo Biazotto (do Blog Over Shock) que encerrou a resenha de Garota Replay dizendo: "Tammy Luciano tem talento para a escrita e pode se tornar – se já não pode ser considerada assim -, uma das autoras teens mais talentosas de nossa literatura. Esse público está muito bem representado". Depois de tanta luta é muito bacana ler isso.

No Brasil, sabemos que a leitura não é um hábito da população em geral. Quantos livros em média você lê por mês? - Vanessa Ferreira
Vanessa, tudo bem? Eu achava que lia muito até que conheci as blogueiras literárias que superam todos os meus recordes. Eu lia uns oito livros no mês, até dez. Teve uma época que eu lia muito livro de teatro e romances um atrás do outro. Hoje, leio menos, porque fico muito tempo na frente do micro escrevendo e lendo meu próprio livro, mas como tenho o hábito de ler antes de dormir, eu continuo mantendo o hábito da leitura. Sempre levei livro na bolsa, então se estou na dermatologista, o tempo na sala de espera passa mais rápido. E atualmente estou toda hora em aeroporto. A gente espera muito para embarcar, então eu aproveito para ler. Acho que tenho lido uns quatro livros por mês, mas meu livro novo toma todo o tempo, fico uma média de oito horas por dia trabalhando nele de segunda até sexta. Dou uma parada nos finais de semana e nos dias livres aproveito para pensar na história.

Por último, deixe um recado para os leitores do Magia Literária, e para quem deseja ser escritor.
Primeiro quero agradecer demais o Magia Literária e você, Mariana, pela maneira querida de fazer uma verdadeira festa, pedindo que os leitores participassem com perguntas. Muito sucesso para o seu Blog! Aproveito para agradecer todos os meus leitores, blogueiros e a minha editora Novo Conceito que estão comigo nessa caminhada especial de publicar livros no Brasil. Para quem deseja ser escritor, aconselho: Seja forte. Não pense que as coisas estão difíceis para você. A carreira é de bastante luta e não é fácil conquistar editora, leitores e espaço. Tenha paciência e não pare de buscar. Acho que só sendo filho do dono de uma editora que você imediatamente ganha um sim. Por isso, escreva muito, procure divulgar seu trabalho, tenha calma e acredite, vai acontecer! Sejam sempre felizes. Beijo para todos . Tammy



Espero que tenham gostado da entrevista, e obrigada mais uma vez a quem enviou as perguntas e, obvio, a Tammy por nos conceder um pouquinho de seu tempo =)

Comentários

  1. Mariana, obrigada por me ajudar na divulgação do meu trabalhooooo! Sucessooooo para o seu Blog! É lindoooo!
    Bjinhos. Tammy
    @tammyluciano

    ResponderExcluir
  2. Oie,

    Adorei a entrevista, ela parece ser mtooo simpática.
    Ainda não tive oportunidade de ler o livro Garota Replay, mas assim que possivel vou faze-lo :)

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei da entrevista! Ainda não tive oportunidade de ler esse livro mas assim que tiver vou ler com certeza. Abraços!

    http://www.ummundodecomentarios.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Muito legal a entrevista, ela parece ser muito querida! Eu gostei bastante de Garota Replay, foi um livro que me conquistou bastante.

    Beijos
    Nati

    http://www.meninadelivro.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei ver minha pergunta sendo respondida, e ver como a Tammy é super atenciosa com seus leitores.
    Tenho que concordar que Leila Rego é uma ótima escritora.
    Parabéns pelo blog! Adorei poder participar da entrevista,

    Beijos,
    Marcia

    ResponderExcluir
  6. Que ótima ficou a entrevista! Também adorei poder conhecer mais um pouco da autora e ler sua resposta para minha pergunta!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Excelente entrevista! Ela parece estar a mil sempre rs' e ser bastante simpática tbm :)

    ResponderExcluir
  8. A Tammy é uma fofa né?
    Eu tentei comprar o garota replay, mas já tinha vendido o ultimo exemplar!
    Vou continuar tentando, consegui depois de uma árdua e longa busca na net o da Samanta Holtz, Quero ser Beth Levit, estou ansiosa para chegar!
    Eu acho elas duas muito fofas, tenho elas no face e são sempre muito gentis!
    http://detudoumpouco28.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não saia sem comentar!
Queremos saber sua opinião ;)

Postagens mais visitadas