Das páginas para as telas: Um Homem de Sorte


Olá pessoal! O segundo Das Páginas Para as Telas do blog, vem com mais um livro de Nicholas Sparks: Um Homem de Sorte.
Caso queria ler a resenha do livro antes de ler este post, clique aqui.

Título original: The Lucky One
Elenco: Zac Efron, Taylor Schilling, Blythe Danner, Jay R. Ferguson, Riley Thomas Stewart, Joe Chrest, Adam LeFevre, Jillian Batherson.
Direção: Scott Hicks
Gênero: Romance
Duração: 101 min.
Distribuidora: Warner Bros.
Orçamento: US$ 25 milhões
Estreia: 4 de Maio de 2012
Sinopse: Em 'Um Homem de Sorte', o sargento da Marinha dos EUA Logan Thibault (Efron) retorna de seu terceiro turno de serviço no Iraque, com o que acredita que salvou sua vida: uma fotografia que encontrou de uma mulher que ele nem conhece. Descobrindo seu nome – Beth (Schilling) – e seu endereço, o sargento aparece em sua porta e acaba por aceitar um emprego em seu canil familiar. Apesar da desconfiança inicial de Beth e das complicações em sua vida, um romance acontece entre eles, dando a Logan a esperança de que ela pode ser muito mais do que o seu amuleto da sorte.

Autores: Nicholas Sparks
Titulo: Um Homem de Sorte
ISBN: 9788563219138
Selo: NOVO CONCEITO 
Ano: 2011
Edição: 2
Número de páginas: 349
Formato/Acabamento: 16x23
Preço Sugerido: R$ 29.90
Área Principal: FICÇÃO
Assuntos: ROMANCE
Sinopse:
 
Era estranho pensar nas reviravoltas que a vida de um homem pode dar. Até um ano atrás, Thibault teria pulado de alegria diante da oportunidade de passar um fim de semana ao lado de Amy e suas amigas. Provavelmente, era exatamente isso de que precisava, mas quando elas o deixaram na entrada da cidade de Hampton, com o calor da tarde de agosto em seu ápice, ele acenou para elas, sentindo-se estranhamente aliviado. Colocar uma carapuça de normalidade havia-o deixado exausto. Depois de sair do Colorado, há cinco meses, ele não havia passado mais do que algumas horas sozinho com alguém por livre e espontânea vontade. (...) Imaginava ter caminhado mais de 30 quilômetros por dia, embora não tivesse feito um registro formal do tempo e das distâncias percorridas. Esse não era o objetivo da viagem. Imaginava que algumas pessoas acreditavam que ele viajava para esquecer as lembranças do mundo que havia deixado para trás, o que dava à viagem uma conotação poética. prazer de caminhar. Estavam todos errados. Ele gostava de caminhar e tinha um destino para chegar.


Às vezes, as coisas mais ordinárias podem transformar-se em extraordinárias, simplesmente se realizadas pelas pessoas certas.


  No livro Um Homem de Sorte conhecemos Thibault, um ex fuzileiro naval que encontrou uma foto de uma jovem loira no meio de uma de suas missões no deserto. No inicio ele pensou em encontrar o dono da foto, mas acaba querendo encontrar a moça na foto. Através das pequenas "dicas" que ele tem do local onde foi tirada, ele resolve partir sem rumo para conhecer aquela loira que acaba lhe dando sorte. Ele passa a  ganhar jogos, escapar do mal e acaba sendo levado aquela mulher loira .  

 Thibalt conhece finalmente a linda mulher que o levou até Hampton tendo só seu cachorro Zeus como companhia e passa a trabalhar no canil de sua família. Elizabeth mora com sua avó Nana e seu filho de 10 anos, Ben. Ela tenta evitar ao máximo aquele misterioso homem que chega com seu cachorro do nada e aceita trabalhar no canil, mas ela não resiste e acaba se entregando a este homem que trata seu filho tão bem e é tão carinhoso com ele.

  A diferença entre o livro para o filme pode ser percebida durante as primeiras cenas do filme. Excluíram algumas cenas que eu considerava importantes, e adicionaram outras que para mim não fizeram muita diferença; mas o que me incomodou foi a mudança do final da história. Acho que o final do livro é muito mais impactante que o final do filme.

  Nada contra Zac Efron (acho ele lindo e tal) mas ele é totalmente diferente do Thibault que eu imaginei. Não sei se é porque quando vejo o Zac sempre vou lembrar do Troy de High School Musical, ou se é por causa da descrição do personagem no livro, mas eu realmente não gostei da atuação dele. A atriz Taylor Schilling (que eu não conhecia até então) também não me agradou como Beth, mesmo que fisicamente ele se pareça mais com a Beth de minha imaginação, do que Zac pareceu como Thibault.

  O filme em si é bom, mesmo com as diferenças presentes (sempre acontece) e recomendo para aqueles que estiverem com vontade de ver um filme domingo à tarde - como aconteceu comigo. Obvio, que recomendo que leiam o livro primeiro e tirem suas próprias conclusões, pois sempre acho melhor "imaginar" as personagens (mesmo que eu saiba que quem não leu ainda vai ficar com a imagem de Zac e Taylor na cabeça) primeiro, do que acabar com esse encanto ao ver o filme antes de ler o livro.

  Vejam abaixo o trailer legendado do filme e não esqueçam de deixar sua opinião nos comentários ;)