Dicas para novos escritores #01 – O processo de criação


 Estudante de jornalismo e sempre apaixonada por livros (típica característica de um estudante de comunicação social), me vi envolvida há mais de um ano em uma área diferente da escolhida no curso da universidade: editoração.
 A história de como comecei sendo editora e Publisher é bem longa, mas apaixonante. De tão apaixonante – e adorar falar sobre isso -, resolvi ajudar novos escritores, pessoas que possuem muita vontade e ideias ótimas para escrever um bom livro, mas que não têm conhecimento do mundo editorial para “seguir em frente”. Não vou dizer: é simples. Não é, principalmente no Brasil, um mercado compacto que está se abrindo. Mas conhecendo e entendendo os processos um novo autor pode surgir. Você, quem sabe!
  Nesta nova coluna no Magia Literária, gentilmente cedida pela Mariana, vou dar dicas, mostrar um pouquinho melhor o mercado editorial, responder dúvidas e mais um montão de coisas que podemos discutir sobre livros e sua produção/comercialização.

                Vamos falar sobre a criação de livros de ficção!
      1° - Tenho uma ideia que eu acredito ser muito boa, mas e agora?
  Não pense só em você na hora de criar sua história, pense no que está ao seu redor. Angústias, preocupações, que, mesmo envoltas numa ficção podem ser associadas ao dia a dia. Preste atenção nas situações do cotidiano e no que as pessoas te contam.
 Agora pegue essa ideia e estude maneiras de elaborar algo em cima dela. Primeiro pesquise, pesquise muito. Busque saber sobre sua ideia. Já ouviu falar que nada se cria tudo se copia? Pois é, tudo sempre vem baseado em outra coisa, seja um momento que você viveu, um filme que você viu e não gostou do final, etc... Sua ideia é baseada em algo, então pesquise sobre isso.
  Outro aspecto importante para ficar atento são os elementos da história. Escreva sobre aquilo que você conhece. Sua história se passa em uma época mais antiga? Pesquise vestimentas, formas de falar, acontecimentos daquela data... Tudo isso torna sua obra mais “verdadeira”.
  Fez tudo isso? Então agora elabore os personagens, suas características e personalidades, depois faça um roteiro da história, apenas para você não se perder dentro de sua própria história.
Está perdido? Faça perguntas para si mesmo. O que acontece depois? Como esse personagem pode sair dessa situação? Como posso inovar e surpreender o leitor nessa fase da história?
  Pense que, mesmo escrevendo com paixão, se ser escritor é algo que você deseja muito, saiba que você escreve para alguém e que, um dia, seu livro pode ser um produto comercial.
Editores gostam de histórias que se comuniquem com o leitor, com assuntos que estão em nossa volta. Pense nisso!

  Lembrando que, para cada um o processo de escrita é diferente. Uns gostam de simplesmente sentar, escrever e depois pesquisar o resultado. Faça da forma que você achar melhor, apenas saiba que, pesquisar é sempre bom.

                2° - Finalmente, escrevi!
  Agora que escreveu seu livro, revise! Escrever bem é escrever qualquer coisa com clareza e sem muitos erros ortográficos.
Além disso, quando você revisa, sabe aquilo que pode tirar da história ou acrescentar. Nessa fase de revisão, você precisa ser crítico e saber o que está bom e o que não está na sua história, eliminando ou modificando seus escritos. Esse processo não é um dos mais legais, mas é importante.
  E lembre-se, revisar não é somente retirar os errinhos de português, é saber se aquela palavra se encaixa perfeitamente naquela frase. Entendeu?

3° - Revisei e meu livro está pronto, mas não sei o que fazer agora.
     Prepare-se para as críticas!
  Nesta fase, você precisa saber se sua história agrada, e sua mãe não vale como avaliadora. Sei (e entendo) que a maioria dos novos autores tem vergonha de expor quando o texto é muito recente, mas você precisa deixar isso de lado. Envie sua história para o maior número de pessoas que não tenham tanta afinidade com você, e a internet é um ótimo meio para isso.


  Quer uma boa dica? Blogueiros literários devoram livros e adoram dar pitaco. Mas atenção! Não se apegue aos elogios, busque as críticas negativas para saber onde você precisa melhorar.

                     Agora acredite em si mesmo e mãos a obra!
Coloquem suas dúvidas sobre criação no post ou me mande um e-mail aline.carrasco@hotmail.com

Até a próxima!