Palavra de Autor - Leonardo Torres: O trabalho pós-escrita dos autores



Olá pessoal, como estão? O Palavra de Autor de hoje deveria ser postado na sexta, só que por motivos pessoais isso não pode ocorrer. O texto de hoje é do autor Leonardo Torres. Confiram:

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


  O trabalho de um autor não termina com a publicação do seu livro. Percebo que somos eternamente responsáveis pelo que escrevemos. Assim, temos que lidar com as diversas respostas dos leitores enquanto estivermos vivos. Não importa que você tenha 80 anos e o leitor queira comentar sobre o que você escreveu aos 18. É justo. Ele tem esse direito.

  Eu gostaria de discutir “Dom Casmurro” com Machado de Assis, se fosse possível, se ele tivesse chegado aos 170 anos. Mas, como ele não está aqui, só me resta conversar com suas páginas. Será que ele imaginava que seus textos atravessariam tantas gerações?

  Quando escrevi meu primeiro livro, “Condenáveis – Uma História de Filho e Pai”, não sabia nem se dez pessoas o leriam. Pensava que minha voz chegaria apenas à minha mãe e à meia dúzia de amigos fieis. Mas foi muito além. Pais, avós, primos e irmãos de amigos leram. Desconhecidos também. Muitos. Pessoas completamente diferentes de mim, que eu jamais imaginaria que me dariam atenção. Isso é uma grata surpresa.

 Recebi e-mails dos mais diferentes remetentes, com histórias que me tocaram muito. E os abraços? “Você que é o Leonardo? O autor do livro?” Carinhos sinceros, olhares confidentes, conversas catárticas. É uma maravilha causar isso nas pessoas, mas sinto-me no dever de devolvê-las o mesmo. É pura gratidão.

  No processo da escrita, há um desprendimento fatigante de energia. Na leitura, há uma troca entre o emissor e o receptor. Mas, quando o leitor comenta suas impressões com o autor, há revitalização. Arrisco-me a dizer que esse vai e vem de vibrações é o grande barato, é o grande trabalho do escritor. Quem se fecha perde a melhor parte. Eu me sinto responsável pelo que causei em cada uma das pessoas que me leram e, assim, quero cuidar de todas elas.