[Das Páginas Para as Telas] Anna Karenina












"Todas as famílias felizes são iguais. As infelizes o são cada uma à sua maneira".  

  A obra literária Anna Karenina foi escrita pelo russo Liev Tosltói e publicada em entre 1873 e 1877. Já havia ouvido falar da obra antes, mas meu interesse em lê-la veio quando li o livro "Fingindo ter 19 Anos" de Alyson Nöel em Janeiro deste ano. Quando a obra de Tosltói é citada no livro, Alex diz "[...] hoje é simplesmente o último dia para entregar o trabalho de análise crítica do livro Ana Karenina [...]. E ainda que a Ana, o Vronsky e o trem em movimento sejam uma leitura bem legal, não senti vontade de escrever sobre isso." Não faço a menor ideia do por quê, mas foi esse simples trecho que me despertou um interesse enorme por Anna Karenina. Não consegui comprar o livro ainda, mas quando fui ao shopping ontem e vi que o filme, estrelado por Keira Knightley e Aaron Johnson estava estreando não pensei duas vezes e fui comprar minha entrada.

Em pleno século XIX. Anna Karenina (Keira Knightley) é uma dama da alta-sociedade casada há 19 anos com um rico funcionário do governo, Alexei Karenin (Jude Law) e que tem um filho, chamado Serioja (Oscar McNamara). Anna, que vive em São Petersburgo, vai até Moscou para conversar com sua cunhada Dolly (Kelly Macdonald) pois ela acaba de descobrir que seu marido Stephan (Stiva como o chamam) Oblonsky (Matthew Macfadyen) possui uma amante. Nessa viagem Anna conhece o conde Vronsky (Aaron Taylor-Johnson), que se encanta com ela desde o primeiro instante.

  Anna possui uma irmã mais nova, Kitty (Alicia Vikander) por quem Konstatin (Domnhall Gleeson) está apaixonado,  porém ao se declarar, descobre que ela está apaixonada por Vronsky, que até então não sabemos, mas é um homem ambicioso, orgulhoso e sedutor que despertará a paixão de Anna. Ela começa a se sentir atraída por Vronsky e as pessoas a sua volta já percebem isso antes mesmo que algo aconteça entre os dois, mas quando acontece, ela se vê tão apaixonada que estará disposta a se divorciar do marido e ficar sem ver seu filho para viver esse amor quase impossível.



  A atuação de Keira, na minha visão, é praticamente impecável. Ela consegue agir tão naturalmente ao expressar tristeza, alegria, loucura e perturbação de uma hora para outra, que quase consigo escutar o pensamento dela quando a vejo atuando. Mesmo que eu não tenha lido o livro, consigo perceber tanta clareza e sinceridade envolvida em sua atuação que não pude deixar de pensar se pelo menos uma das outras atrizes que já interpretou a mesma personagem no cinema (o livro já teve mais de cinco adaptações) conseguiu interpretar tão bem como Keira.

  A atuação de Jude Law também é ótima. Alexie é um homem de personalidade forte, durão, e que ao mesmo tempo se mostra um tanto sensível. Já Aaron Johnson deixou a desejar. Não sei se não achei sua atuação boa por não ter gostado do personagem em si, mas realmente achei que ao contrário de Keira, ele não conseguia mudar de expressão no momento necessário. Não posso deixar de mencionar que quando via Kelly Macdonald em cena só via a doce Evangeline de Nanny McPhee. De verdade, não consegui ver muita mudança, mesmo gostando muito da atriz que ela é.

  O figurino, o cenário e as coreografias, mesmo que as vezes exagerada, engrandecem ainda mais a história. A forma como ela é narrada também me agradou, já que o cenário se transforma de acordo com o que determinado personagem pensa/faz. Eu soube que a marca americana Banana Republic fez uma parceria com a figurinista Jacqueline Durran e criou uma linha especialmente inspirada no Século XIX. Vestidos de renda, jaquetas militares, acessórios em pele sintética e mais fazem parte da linha. 

   Por fim, Anna Karenina me surpreendeu em mais aspectos do que me decepcionou e pretendo assistir ao filme novamente em breve. O final do filme não foi de meu agrado. Não o final em si, e sim a sequência de cenas (quem assistiu vai entender mais ou menos o que digo), porém, a cena final é tão tocante, mesmo sem muitas falas, que você acaba esquecendo todas as coisas que não gostou nas últimas 2 horas e 9 minutos que passaram. Amor, família, casamento, traição, paz, vida e morte são assuntos abordados nessa história que traz uma boa mensagem e nos mostra como era a Rússia naquela época.


>> TRAILER


>> FICHA TÉCNICA
> Livro
Autor: Liev Tolstói
País: Rússia
Género: Romance
Editora: Ру́сский ве́стник
Lançamento: 1873
Páginas: 864
ISBN 9781847490599
Tradução - BRA: Manuel Siqueira Paranhos
Editora: Nova Cultural
Lançamento: 1995

> Filme
Diretor: Joe Wright
Elenco: Keira Knightley, Jude Law, Aaron Taylor-Johnson, Kelly Macdonald, Matthew Macfadyen, Olivia Williams, Michelle Dockery e etc.
Produção: Tim Bevan, Paul Webster
Roteiro: Tom Stoppard
Duração: 129 min.
Ano: 2012 (EUA) 2013 (BRA)
País: Reino Unido, França
Gênero: Drama

image

Comentários

Postagens mais visitadas