[Papo Literário] Louise Millar fala sobre o Brasil, seus projetos e o inicio de sua carreira


Louise Millar é uma autora britânica de thrillers psicológicos. Antes de escrever romances, ela trabalhou como jornalista e editora sênior na revista Marie Claire da Ucrânia. Louise vive atualmente em Londres com seu marido e dois filhos. 
Em entrevista ao Magia Literária ela fala sobre os leitores, seus livros, seus próximos projetos e sobre como começou sua carreira. Confira:

:: Entrevista feita por: Mariana Mortani
:: Traduzido por: Mariana Mortani

Magia Literária: Louise, recentemente eu li seu livro "Uma Questão de Confiança", publicado pela Novo Conceito no Brasil. Drama familiar e suspense são dois elementos que nos prendem do inicio ao fim da leitura. Fale um pouco sobre o livro para aqueles que desejam lê-lo.
Louise Millar: "Uma Questão de Confiança" é um thriller psicológico que se passa em Londres e conta a história de uma mãe solteira, Callie, que quer voltar a trabalhar como designer de TV e filmes, e precisa arranjar uma creche para sua filha de 5 anos, Rae. O livro explora o quanto nós realmente sabemos sobre os amigos e vizinhos que conhecemos na cidade - e, para mim, não há melhor teste de confiança do que se sentir bem em deixar seu filho com alguém.

ML: Confiança é o assunto mais comentado no livro e eu terminei a leitura pensando em como não importa a quanto tempo você conhece uma pessoa, as vezes não é o bastante. Você queria mesmo passar essa mensagem para seus leitores?
LM: Eu acho que confiança é um bom assunto para um thriller doméstico porque a maioria de nós já teve um relacionamento com alguém que acabou sendo muito diferente do que nós imaginávamos. Pode ser um amigo, um vizinho, um parente ou um parceiro. Porque essas são as pessoas que nós permitimos saber das partes mais pessoais e privadas de nossas vidas, e pode ser horrível descobrir que nossos bons instintos sobre alguém estavam errados. Em "Uma Questão de Confiança", por exemplo, Callie pensa que Debs, sua nova vizinha em Londres, parece legal, mas ela não tem ideia dos vários problemas que levaram Debs para sua rua...

ML: Você já passou por algo parecido com o que Callie passou? Confiou algo importante a alguém e depois descobriu que aquela pessoa não era tão confiável?
LM: "Uma Questão de Confiança" foi em parte inspirado em um acidente que aconteceu quando eu tinha quatro anos. Minha mãe teve uma emergência, e me deixou por uma hora com uma nova vizinha. A mulher era avó, e parecia muito agradável e educada. Quando minha mãe voltou uma hora depois, ela me encontrou no fundo do quintal da mulher, caída em um rio, segurando um galho para tentar não me afogar. Eu tinha caído no rio quando nossa vizinha estava tomando chá na cozinha com sua amiga!


ML: No Brasil, seu livro foi publicado em Janeiro e já tem muitas resenhas positivas. O que você acha disso? Você já conversou com algum leitor brasileiro?
LM: Eu estou muito impressionada com o número de brasileiros que me enviam tweets e escrevem em seus blogs sobre livros. É fantástico ver tantos apaixonados por livros aí. As pessoas tem sido muito agradáveis com "Uma Questão de Confiança" e tem sido muito legal conversar com meus leitores brasileiros sobre meus livros nas redes sociais.

ML: "Accidents Happen" ("Acidentes Acontecem", em português) foi publicado no Reino Unido em Abril, e em Julho será publicado nos Estados Unidos. Nós não temos uma data para o Brasil, mas o que podemos esperar dele?
LM: Esse é um thriller psicológico que conta a história de uma jovem viúva, Kate, que está convencida de que foi "presenteada" com a má sorte, e é obcecada por estatísticas de segurança para proteger ela e seu filho. Então, por exemplo, antes de andar de bicicleta ela pensa em todas as estatísticas de ter a chance de um acidente se é terça-feira, ao invés de um sábado. Um professor de matemática tenta ajudá-la - mas quando um homem assustador passa a rondar, ela passa a ver que Kate deveria estar certa o tempo todo.

ML: Eu vi que o primeiro livro que você escreveu foi um romance, e depois você escreveu memórias.  Eles também foram publicados?
LM: Eu trabalhei em um negócio por um tempo, entrevistando britânicos "comuns" sobre suas histórias de vida, depois escrevi e publiquei suas histórias em um livro de 25 cópias para eles darem aos seus familiares e amigos. Foi um trabalho fascinante. Entrevistei pessoas que já eram idosas, então foi excitante escutar que eles trabalharam como caçadores de recompensas no México ou um plantador de chá na índia ou escaparam de um golpe militar na África.

ML: Você foi jornalista e editora, o que te motivou a mudar de carreira e escrever seu primeiro livro?
LM: Para mim, foi uma viagem. Passei um ano dirigindo de uma cidade pequena para a América rural com meu marido quando ele estava pesquisando sobre seu doutorado, e mantinha um diário sobre nossas aventuras. Por acaso, eu descobri um mistério histórico da vida real no Novo México, e pensei que poderia dar um bom filme. Então eu escrevi um roteiro baseado nele como meu primeiro projeto fictício, e enviei ele para agências em Londres. Ninguém o comprou, mas uma agência gostou de minha escrita, o bastante para me encorajar para um livro da próxima vez. E ele era "Uma Questão de Confiança".

ML: Você está envolvida em um novo projeto?
LM: Sim! Estou terminando meu terceiro thriller psicológico, que conta a história de um mulher de Londres que se muda para o campo para começar uma família e se mete, acidentalmente, em um crime muito estranho em uma pequena vila. Mas ninguém acredita nela, incluindo seu marido.

ML: Louise, muito obrigada pela entrevista. Espero que seus próximos livros cheguem ao Brasil e que você possa nos visitar um dia. Deixe uma mensagem para os leitores do Magia Literária e para os que desejam ser escritores um dia.
LM: Eu amaria visitar o Brasil um dia, e muito obrigada por me entrevistar! Minha dica para os que querem escrever seus livros é escrever uma hora de cada vez. Mesmo que pareça terrível, não o rasgue - apenas continue!

:: Entrevista feita por: Mariana Mortani
:: Traduzido por: Mariana Mortani



*       *      *


Espero que tenham gostado da entrevista. Eu adorei entrevistá-la e conhecer mais sobre seu trabalho.

Agradeço a Louise por seu carinho e por me dedicar um pouco de seu tempo, e obrigada a Sophie, sua agente, por ser tão legal e tornar isso possível.