Quarto dia de Bienal do Livro 2013 (06 de setembro)

 No último post contei como foi o meu segundo dia de Bienal do Livro 2013. Hoje não contarei como foi o terceiro pois nesse dia eu estive lá apenas tirando foto dos estandes para fazer um especial para vocês e nem tirei foto com muitas pessoas, então pularei para o quarto dia e, no final de semana, vocês terão um post especial com vídeos da Bienal e fotos de alguns estandes, ok?

 No meu quarto dia eu estive lá na Bienal com o colégio. Saímos um pouco atrasados e acabamos perdendo duas horas da visita por conta do atraso e do trânsito. Quando chegamos meus amigos não tinham ideia por onde começar e alguns professores iriam nos acompanhar por grupos. Pedi permissão para andar sozinha, pois já conhecia o local e não iria me perder. A única coisa ruim foi que a condição era ter que voltar de uma em uma hora em um local no Pavilhão para dizer ao professor responsável que não havia me perdido.


 Para sair do Pavilhão Verde, passei pelo estande da Capricho e encontrei o Mateus Emmerich lá. Conheci ele justamente na Bienal, mas no Estande da NC em 2011. Ele havia ido prestigiar o Federico Devito e o Gutti Mendonça, que são amigos dele. Depois de ficar um tempo conversando com ele, lá fui eu para o estande da Novo Conceito. Tem como não amar aquele estande e as pessoas que trabalham nele? Nesse dia pude pegar o livro "Até Eu Te Encontrar", pois os parceiros estavam retirando o livro antecipadamente para ter o autógrafo da autora. A Graciela é um amor. Adorei conhecer ela e a sua irmã gêmea, a Flávia. Depois rolou um bate-papo no estande da NC com a Tamires e a Tammy, que carinhosamente citou a resenha que fiz de "Claro Que Te Amo" mais uma vez. Tammy falou sobre seus looks, sobre as bienais das quais participou, seus leitores, seus livros e respondeu as perguntas dos leitores.

 Já havia se passado uma hora e resolvi passar a próxima hora no Pavilhão Verde. Fui até o estande da Novo Século, ontem encontrei vários autores. Fiquei feliz não só de encontrar todos, como também de ouvir várias vezes: "onde está sua mãe?". Ou como disse o Ricardo Valverde: "Onde está a outra metade da laranja?" (risos). Alguns deles até olhavam para o caixa, pois já estão acostumados a nos ver comprando vários livros sempre. No estande também conheci pessoalmente a querida Lycia Barros e a Adriana Brazil me apresentou a Lilian Reis, que também é super simpática e me deixou com mais vontade de ler seu livro. Passei pelo estande da Modo e encontrei as queridas Elaine Velasco, Luciane Rangel, Sara Beck e Lu Piras. Fui até o estande do Grupo Editorial Pensamento, onde a Camila Leite do Sonhos Entre Pontinhos e a Jaqueline Silva do Meus Livros, Meu Mundo estavam trabalhando, para conversar um pouco com elas e depois fui mais uma vez falar com o professor.

Voltei ao Pavilhão Azul e dessa vez parei no estande do Grupo Editorial Record. Era meu quarto dia de Bienal e eu não havia entrado nele em nenhum dia! Havia sempre uma fila gigante apenas para entrar no estande, e naquele dia a lindona da Pat Barboza fez sinal para o segurança me deixar super na área vip do estande para que eu pudesse falar com ela. Fiquei um pouquinho lá com ela e desci para falar com a Drica Pinotti. Ela consegue ser mais fofa pessoalmente do que na internet. Pedi para fazer uma entrevista e marcamos para às 17h, horário que a Pat começaria a autografar no estande e a Drica estaria tranquila.

Voltei ao estande da NC, conversei um pouco com o Wesley e a Tamires, e fui novamente ver meu professor. Encontrei vários alunos lá sentados, e quando fui falar com meu professor ele disse que teríamos que adiantar nossa saída, ordens da Bienal. Fiquei desesperada! Não queria sair sem me despedir de ninguém e pedi para ele 15 minutos. Mesmo ele dizendo um "não" enorme, dizendo que só estavam esperando o diretor e que já iríamos sair, falei "pode ficar tranquilo que sei o caminho até de costas e volto correndo, eu prometo". Nem esperei ele responder. Só sai correndo no meio da multidão. Fui até a Drica, remarquei a entrevista para o dia seguinte, passei na NC para me despedir do pessoal e fui me despedindo de quem encontrava e finalmente, voltei para o local de encontro. Meu professor só olhou para o relógio e disse: "15 minutos certinho". Rimos e fomos em direção ao ônibus do colégio. Saí da Bienal feliz porque o próximo dia tinha tudo para ser incrível. Ele podia ser meu último e eu estava ainda mais ansiosa.