[Resenha] A Menina Que Semeava | Lou Aronica


Autor: Lou Aronica
Titulo: A Menina que semeava
ISBN: 9788581632407
Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Número de páginas: 416
Área Principal: Ficção
Assuntos: Drama, fantasia
Sinopse:  Chris Astor é um homem maduro, um botânico bem-sucedido, mas, especialmente, um pai amoroso. Sua filha — Becky — é, para ele, seu maior e melhor projeto. Mas a garota, tão amada, tem câncer.
O que pode um pai quando sua filha foi acometida por uma doença assim, nociva? Como diminuir o sofrimento de uma criança tão amada?
Apesar de sua agonia, Chris encontra uma maneira mágica de acolher sua menininha. Para que ela se recupere bem, e mais rapidamente, ele cria um mundo paralelo, cheio de fantasias, e histórias, e personagens maravilhosos que parecem ter o poder milagroso da convalescência.
E nada no mundo, nem sua sanidade, nem seu trabalho, nem mesmo sua mulher serão obstáculos para a determinação deste pai que só tem o propósito de ver sua filha feliz.
Uma história sobre desespero, esperança, invenção e descoberta que ultrapassa qualquer razão, qualquer limite, enquanto você revê tudo aquilo em que acredita.

"Talvez estivesse escrito que seria difícil para mim" - Pág. 295

Uma família com seus alicerces abalados por uma doença. Uma menina adorável de apenas 5 anos inicia sua luta para sobreviver. Uma mãe que, não sabendo lidar com isso, se torna impaciente e cria desentendimentos que acabam fazendo o seu casamento desmoronar. Um pai que é mais do que um simples pai, é o melhor e maior amigo. Chris não é daqueles pais que só falam que amam seus filhos, mas sim demonstra dia a dia seu amor incondicional por Becky, e não mede esforços para cura de sua filha. Ele é do ramo de engenharia genética, só que no momento atua como escriturário.

 Becky é uma menina muito amada pelo pai e quando houve a descoberta da sua doença seu pai criou uma maneira de diminuir, ou pelo menos tentar aliviar o tratamento que a deixava cansada. Chris então cria uma história capaz de trazer esperança e um colorido a mais na vida de Becky, que o batiza de Tamarisk. Com o passar do tempo, a medida em que Becky crescia, ela também incluía personagens em seu mundo de reis e rainhas, o que a fazia muito bem.

Depois da doença e, até bem antes, Chris e sua esposa já não estavam se entendendo bem. Havia muita discussão e os desentendimentos eram frequentes, só que Chris não tomava uma decisão pois ele sabia que uma separação também poderia separá-lo de sua filha, o que ele não suportaria. Porém sua esposa, Polly, não pensava assim. Ela pediu o divórcio deixando Chris atordoado. Agora, Becky tem 14 anos e se sente atingida com isso, mostrando sua revolta logo com seu pai, evitando até de ouvir falar em Tamarisk.
"Eles precisam superar a dor. Precisavam superar o sofrimento. Precisavam abraçar a essência." - Pág. 140
 O livro é dividido entre a vida de Becky e suas histórias em Tamarisk, que é lugar com cheiro de framboesa e baunilha, cheio de pássaros e de cenários incríveis, com direito a reis e rainhas e, uma delas é  Miea. Foi por Tamarisk que Becky criou esperança e alegria, mas agora que ela se afasta do pai, é por Tamarisk que ela irá se reaproximar. Fiquei com uma imensa vontade de que o livro virasse filme. Com certeza teríamos cenas incríveis, pois o autor sabe como nos deixar imaginando esse lugar fantástico. Ele une a fantasia e  a realidade para terem um único objetivo: a cura.

 Se tem uma personagem que me deixou inconformada foi a mãe de Becky. Ela é tão amarga e fica tão irritada em certas horas. O jeito que ela reage diante de várias situações (mesmo quando sua filha mais precisava de seu apoio e do amor total dos pais) é imperdoável. Polly não media esforços para brigar com Chris e proibir a presença daquele que a amava a filha mais do que tudo. No final do livro acabamos compreendendo as reações dela, mas, sem dúvidas, Chris é um pai impecável e digno de admiração do início ao fim!

 Uma personagem que adorei foi Lonnie. A amizade dela e de Becky é linda. Elas tem carinho e cuidados uma pela outra, e suas palavras sempre nos deixam comovidos. No final do livro a forte ligação de afeto das duas fica ainda mais evidente. 

 A primeira coisa que já me encantou no livro foi a capa. Ela é incrível, e pessoalmente é mais bonita ainda. Quando o livro chegou em minha casa com o kit da editora, logo senti um perfume diferente. Quando abri a caixa fiquei encantada com o capricho da NC. A essência de Tamarisk tem um cheiro muito bom, acho que todos irão adorar.

 "A Menina que Semeava" é um livro que traz não só a magia de um lugar incrível, como também uma relação intensa e delicada de pai e filha. Emoção é o que não falta durante a leitura, e o enredo é mais surpreendente do que eu esperada. Fantasia e realidade envolvidas em um só lugar misturadas com a narrativa envolvente de Lou Aronica, só resultou em uma história marcante.