Segundo dia de Bienal do Livro 2013 (01 de setembro)

 Cheguei em casa no dia 31 com mais ou menos 40 livros. Quase 20 eu havia levado para autografar e os outros eu havia comprado lá. Saí com  uma mochila nas costas, a ecobag de "Uma Longa Jornada" (já viram como ela é grande?), duas bolsas que ganhei ao comprar livros na Editora Novo Século e mais duas ecobags que minha mãe vinha carregando (além da bolsa dela que tinha dois livros finos lá dentro). Ufa! Consegui sair da Bienal - praticamente me arrastando - entrar no carro e enfrentar o engarrafamento e chegar em casa. Mas juro que se pudesse, teria dormido dentro do carro e acordado para ir direto para a Bienal no outro dia.

 Acordei por volta das 09hs. Já estava atrasada. A Bienal abre às 10hs nos finais de semana e eu queria chegar cedinho para poder andar e tirar foto de todos os estandes que queria visitar e não consegui no dia anterior (culpa do Nicholas). O problema é que eu estava totalmente exausta. Meus ombros doíam por ter carregado tanto peso, as costas doíam mais ainda e eu só sentia dor nas pernas. Cheguei a cogitar a ideia de dormir até às 15hs (acreditem, se eu continuasse a dormir, dormiria até mais tarde que isso) e não ir na Bienal nesse dia. Mas aí lembrei da Christine M. e da Vanessa de Cássia, e da promessa que fiz de ir me despedir delas, que iriam voltar para São Paulo no dia seguinte. É... lá estava eu saindo da cama e indo em direção ao banheiro me arrumar.

 Chegar na Bienal pra mim é sempre uma alegria. Na entrada eu fico emocionada, nas saídas eu fico mais ainda e a cada três passos que dou para fora do Rio Centro olho para trás para ver o grande letreiro "Bienal do Livro" mais uma vez. É sério. Não estou mentindo (risos). Nesse dia resolvi levar apenas dois livros do Allan Percy, assim poderia participar do Café Literário com o autor. Nossa, como eu estava leve! Parecia que estava esquecendo algo em casa.
 Logo na entrada encontrei Tammy Luciano, Christine M. e Vanessa de Cássia. Entramos juntas em mais um dia de Bienal. Dei "bom dia" para a Tamires e o Ludson - que trabalham na NC - e deixei as três lá para andar pelos outros estandes. Um mais lindo que o outro. Encontrei os autores Sidney Santborg, Carolina Estrella, Babi Dewet, Marcelo Amaral e sua esposa Carol Gama pelo caminho.
 Passei na Novo Século para ver a Lu Piras e reencontrar Felipe Colbert, Fernanda Belém e conheci a queridíssima Laura Conrado. Que mulher fofa gente! Agora tenho ainda mais vontade de ler seus livros. Depois encontrei as blogueiras Camila Leite e Jaqueline Silva.
 No dia aconteceu um encontro de Blogueiros, onde a Tamires falou sobre os lançamentos de Setembro da NC. No final do encontro, a fofa da Tamires falou de mim e do ML. Agradeceu o carinho, falou dos cupcakes que levei e dos Hangouts que participo (minha mãe gravou, vocês poderão ver em breve). Eu só tenho a agradecer o carinho da Tamires e todo o pessoal do marketing e TI da Novo Conceito, que sempre são super atenciosos, seja por e-mail, facebook, twitter ou hangouts. A Marina e a Graciela também apareceram para falar com todos os presentes, e a Tammy, para me deixar mais radiante, falou com os blogueiros e citou o Magia Literária e a resenha que fiz de "Claro Que Te Amo". Tem como não amar elas?
 Depois de encontrar tanta gente querida, fui em direção ao Café literário, mas antes de chegar lá, ouvi gritos de "Porta dos Fundos", "Ferdinando", Clarice, Clarice, Clarice", "Porchaaat" e pensei: "será que o pessoal do Porta dos Fundos está aqui?". Sim, eles estavam. Era uma multidão imensa, várias pessoas pulando e gritando juntas em direção à Sala dos Autores, localizada no Pavilhão Verde e bem perto do Café Literário. Parei para ver eles um pouco, o Antonio Pedro Tabet fez uma forca com todo mundo que estava lá em baixo. Gravei tudo para vocês.
 No Café Literário (já estava super feliz porque na Bienal anterior não consegui assistir nenhum bate-papo lá e essa era minha primeira vez), fiz meu pedido para um garçom e fiquei esperando a chegada do autor Allan Percy. A sessão teve a presença do também autor Adilson Xavier, e a mediação foi de Ricardo Oiticica. Adorei conhecer mais dos dois autores. Depois da palestra acabei conhecendo a Thaís, da Editora Sextante, e pude conversar um pouco com Allan Percy. Ele gravou um vídeo para o blog (que será postado até a próxima semana) e autografou meus livros; um para mim e outro para meu pai.
 Ao sair do Pavilhão para poder comer algo, acabei vendo centenas de pessoas juntas em um jardim próximo a praça de alimentação. Era sinal de que havia algum autor por perto, então lá fui eu em direção à eles. Vi que quem estava autografando era o pessoal do Porta dos Fundos, então decidi pegar meu livro e enfrentar a fila, que já estava acabando. Todos são extremamente simpáticos, mas dou destaque à Marcus Veras, Fábio Porchat e Marcus Majella. Não sei se foi porque eu conhecia os trabalhos deles fora do Porta dos Fundos, mas foi com os três que conversei um pouquinho mais. Eu olho para o Porchat e o Majella e já quero começar a rir. Aquele sorrisão do Marjella então, só dá vontade de sorrir também. Todos eles foram super atenciosos, e conversavam e autografavam em meio ao almoço deles. Foi bem legal ver o carinho que todos sentem e demonstram pelos fãs.
 Depois passei pelo estande da Comix, onde o Gutti Mendonça me falou que ele e o Federico ficariam lá até às 21h. Lá fui eu para mais uma fila. Na Bienal 2011 eu ainda não tinha o blog eles ainda não eram "os escritores" e sim "os colírios da Capricho", então evitei aquela fila quilométrica, mesmo querendo conhecer a escrita dos dois. Dessa vez eu resolvi andar um pouco, e ao voltar lá não os encontrei. Depois soube que eles estavam no estande da Capricho e por sorte pude entrar rapidinho na Comix para comprar o livro e tê-lo autografado. Adorei conhecer o Gutti, e principalmente o Federico que é o único dos Colírios que eu cheguei a olhar Twitter ou Facebook pelo menos uma vez (risos). Já li o primeiro capítulo e em breve vocês terão resenha aqui no blog.
 Voltei ao Pavilhão Azul para, finalmente, me despedir de todos. Lá no estande da NC estava rolando o bate-papo com os autores nacionais da Editora e o estande estava lotado. Eles merecem! Me despedi da Chris e da Vanessa com um super abraço. Essas duas são muito queridas por mim e é sempre ótimo estar com elas. Me despedi de Tammy e Marina de longe; mesmo triste por não ter dado um abraço de despedida na linda da Marina e segui para a saída, já ansiosa pelo próximo dia de Bienal.