[Resenha] Delírio | Lauren Oliver



Título: Delírio
Título Original: Delirium
Autora: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580571646
Número Páginas: 352
Gênero: Distopia, Romance
Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?.
"Amor: ele vai matá-lo e salvá-lo, ao mesmo tempo."
 Tenho a sorte de estar lendo livros muito bons ultimamente. Muitos que eu nem esperava gostar tanto, mas justamento o que eu mais esperava gostar, acabou me decepcionando um pouco
"Muitas pessoas temem a intervenção. Algumas até resistem. Mas eu não estou com medo. Mal posso Esperar. Faria amanhã, se pudesse [...]."
Em "Delírio" (que ganhou uma adaptação que será lançada em breve) conhecemos Magdalena, ou Lena, Haloway, uma garota que está prestes a completar 18 anos e a ser curada de uma grave doença: o amor. Há alguns anos atrás foi descoberto uma cura para o chamado Amor Deliria Nervosa, que é a mais grave das doenças, uma vez que faz com que as pessoas que são "contaminadas"se recusem a ter a cura, de tão loucos que ficam. Ao completarem a maioridade as pessoas precisam se submeter a uma intervenção, que os deixará curados desse mal e garantirá uma vida plena, segura e feliz, sem muitas emoções.
Lena acredita que a cura realmente mudará sua vida para melor, já que se lembra do quão louca ficou sua mãe depois de não ser curada - mesmo depois de três intervenções. Lena mal pode esperar para realizar os testes, que irão pareá-la com o homem com quem ela se casará após a faculdade, mas é justamente no primeiro deles que seu rumo é modificado: ela conhece Alex.
"- Não é possível ser feliz realmente a não ser que às vezes e sinta infeliz."
 Eu estava com muitas expectativas a respeito desse livro e acho que tenho que entender, de uma vez por todas, que esperar demais sempre me faz ficar decepcionada de alguma forma. (Okay, isso pareceu frase do livro da Isabela Freitas haha) Eu tenho o livro desde a Bienal do ano passado quando o comprei por 5 reais(!) no estande da Intrínseca Acontece que com a série baseada na trilogia prestes a estreiar, eu não pensei duas vezes e comecei a ler o livro, ainda mais depois que alguns leitores falaram que gostariam de ver a resenha aqui no blog. 

 Eu adorei a proposta do livro assim que li a sinopse (admito que quando comprei o livro só quis aproveitar o preço e nem a li), e quando comecei a leitura achava que teria uma ótima história pela frente. Acontece que o livro me pareceu um tanto contraditório. Em um momento é muito difícil fazer tal coisa, no momento seguinte pode-se fazê-la sempre, e no momento seguinte ela volta a ser difícil, como se a autora lembrasse que aquela coisa ela realmente meio impossível de ser feita. Acho que ficou meio confuso, mas acho que vocês entenderam, não? - não quero deixar spoilers. Uma coisa que me incomodou também foi o fato de o inicio ser bem rápido, algumas coisas importantes são até deixadas de lado e, de repente, da metade para o final, a leitura ficar muito devagar e você se depara com pensamentos repetidos da personagem.

 Apesar disso, o romance presente é muito bonito. O fato de eles não conhecerem o amor é o que torna tudo especial. Amor é praticamente uma palavra proibida quando você se refere a ele como um sentimento e não como uma doença. Lena só lembra de se sentir feliz quando sua mãe dançava e cantava com ela e sua irmã; hoje a irmã é casada, mal aparece para visitá-la (esse é um dos efeitos da cura, nem saudades você sente, uma vez que o amor não está mais presente em sua vida) e sua mãe está morta. E Alex é um personagem que já ganha o leitor com seu jeito carismático desde sua primeira aparição, quando nem sabíamos quem ele realmente era.

 Para quem gosta muito de distopias, "Delirio" tem uma proposta original e atraente, basta saber se a narrativa, que me pareceu arrastada, vai ter o mesmo efeito em vocês. O romance e o enredo me agradaram em um todo e quero sim terminar a série. Talvez eu espere a estréia da série para fazê-lo. Mas não deixem de me contar o que vocês, que leram a trilogia, acharam - só que sem spoiler! haha