[Resenha] Desafio | C. J. Redwine

Autora: C.J. Redwine
Título: Desafio
Título Original: Defiance
ISBN: 9788581634395
Grupo Editorial: Novo Conceito
Selo: Novo Conceito
Número de páginas: 368
Gênero: Ficção, Distopia
Sinopse: No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la. Aos 19 anos, Logan McEntire possui várias faces. Órfão. Rebelde. Inventor. Aprendiz do principal mensageiro da cidade, Logan se concentra em aperfeiçoar seus conhecimentos para escapar da tirania de Baalboden. Mas seus planos não incluíam tornar-se responsável pela impulsiva filha do seu mentor. Logan está determinado a protegê-la, mas, quando seu plano de fuga fracassa e Rachel é obrigada a suportar as consequências, ele percebe que há mais sentimentos em jogo do que a simples decepção de Jared.  Enquanto Rachel e Logan lutam para atravessar as Terras Ermas, perseguidos por um monstro que ninguém pode matar e por um batalhão de assassinos com sede de sangue, eles descobrem o romance, a decepção e a verdade que pode desencadear uma guerra latente há vários anos e cada vez mais perto de explodir.recolher texto
"Não estamos aqui porque meu pai está morto. Estamos aqui porque o Comandante não nos dará mais tempo para provar que ele está vivo."
 Na Muralha de Baalboden todas as mulheres são submetidas a aprender a costurar, a dançar e a se portar corretamente diante de seus Protetores, homens que são responsáveis pela proteção das mulheres (todas devem ter um, do contrário, são protegidas pelo Governo) mas Rachel é do tipo rebelde. Além de saber se localizar e a caçar, Rachel é valente e não aceita ser tratada como submissa por nenhum homem. Ela é uma garota de 16 que, há sessenta dias, espera o retorno de seu pai para casa. Ele é um mensageiro do Comendante e foi enviado em uma missão a Carrington. Mesmo sendo o melho mensageiro do local, pela primeira vez, ele não retornou para casa. Depois do prazo estipulado, Jared é dado como morto, mas isso não impede que Rachel acredite que seu pai ainda está vivo.
"Detesto admitir, mas Logan é um gênio."
 Na leitura do testamento do seu pai, o mais esperado era que Oliver, melhor amigo de Jared e praticamente um avô para Rachel, se tornasse seu Protetor. Ou, até mesmo, o pai de sua melhor amiga, mas o que ninguém esperava era que Jared deixaria sua filha sobre os cuidados de Logan, um garoto de 19 anos que, além de ser seu aprendiz, é o garoto por quem sua flha é apaixonada. O mesmo garoto que a rejeitou.
 Quando comecei a leitura de "Desafio" eu estava bem animada e, levando em conta que na maioria das vezes que eu fico muito ansiosa por um livro, eu acabo me decepcionando, não li a sinopse e tentei não esperar muito. Acho que deu certo, uma vez que eu simplesmente adorei o livro! Digamos que eu esteja numa fase meio distópica, onde eu queira ler mais e mais distopias (aceito sugestões nos comentários!) e a proposta do livro não é nada, digamos, surpreendente, e eu achei vários pontos negativos na obra, mas o livro realmente me surpreendeu. E muito!
"Há qualidades muito mais importantes do que simplesmente a docilidade e a subserviência."
 Rachel é uma personagem que ganha o leitor logo de cara! Eu adoro personagens decididas e que, mesmo quando não tem algo que querem, não ficam um capitulo inteiro (ou dois) se fazendo de vitima. Rachel se torna cada vez mais valente ao longo do livro e a narrativa em primeira nos deixa perceber isso ainda mais. O problema é que a narrativa leve e detalhada na medida certa, possui algumas repetições e contradições. Nós já entendemos que Rachel não é submissa, mas daqui a uns dois capítulos a autora fará questão de dizer novamente. Ao mesmo tempo, quando Logan passa a demonstrar mais confiança por ela, ela acaba precisando dele para fazer coisas que não precisava antes e, um simples exemplo, é se defender. Também achei Logan bem contraditório e meio grosso em alguns momentos, mas acho que isso pode ser uma das coisas que tenha feito com que eu gostasse do livro: o mocinho não é perfeito e possui seus momentos de raiva.

 Falando na narrativa, a mesma é alternada entre Logan e Rachel, fazendo com que não tenhamos dúvidas dos sentimento dele e dos pensamentos em relação a tudo de novo que está acontecendo em sua vida de uma hora para outra. A única coisa que me incomodou nesse aspecto é que parecia que todos os personagens tinham algum poder sobrenatural que fazia com que eles adivinhassem os pensamentos dos outros. E isso não acontece só com Rachel e Logan, até o Comandante entra nessa. Não sei se a autora se "atrapalhou" e esqueceu (?) em alguns momentos que a narrativa alternada dava uma visão de tudo apenas ao leitor, e não aos personagens.

O livro também tem seu lado "sobrenatural"... ou eu deveria  Acontece que Baalboden é uma sociedade que se estabeleceu depois de uma busca por fontes de energia. O problema é que essa busca liberou criaturas surpreendentes que estavam sob a superfície da Terra (dai vem a ideia da muralha). Os militares conseguiram aprisionar esse "montros", mas nada que os fizesse ter certeza da total segurança do local, por isso, existe um toque de recolher e as mulheres precisam ter Protetores. Existe também o dia da Toma, onde as mulheres se apresentam lindamente em um palco e algum homem que queira se relacionar com ela resolve tomá-la. Sim, a palavra é essa. Eles perguntam "Quem se oferece para Tomar esta mulher?", e alguém responde: "Eu vou Tomá-la." Simples. E bizarro.

 Talvez eu tenha ficado contraditória como a autora, mas, mesmo com os pontos negativos que sitei, eu realmente gostei do livro. Um bom livro também tem seus pontos positivos e negativos, não? Mas, tem alguma coisa nele, que eu ainda não consigo dizer o que é exatamente, que me fez ficar encantada com o enredo. Talvez seja a narrativa rápida. Talvez seja o suspense e a ação presentes. Talvez seja o medo do desconhecido (para entender essa, vocês precisam ler!). Talvez seja apenas o fato de eu estar em um bom momento com as distopias (risos)


 "Desafio", de C. J. Redwine é o primeiro livro de uma trilogia. Os próximos livros, "Deseption" e "Deliverance", ainda não tem previsão de lançamento no Brasil.

.  

Comentários

  1. Não conhecia o livro, e agora estou doida pra ler.
    Amo distopias assim. Vou por na minha lista!

    Um beijo,
    Livrologias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, mas gostei bastante do enredo, parece ser um livro bem interessante, e eu simplesmente amo distopias! !

    ResponderExcluir
  3. Adorei!! Gostei da capa e gostei do enredo do livro. Também estou numa fase distópica e esse me interessou bastante. Só não vou ler agora porque ainda não tem previsão de lançamento dos próximos volumes.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Primeira vez que leio uma resenha sobre este livro e confesso que tua resenha me deixou bastante interessada por dois pontos curto livros com historias diferentes e distópicas e personagens fortes. Achei super bacana conferir tuas ressalvas em relação ao que não te agradou tanto, e já inclui ele a lista de desejados!!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Uma das coisas que poderia ser diferente nas distopias era a idade dos protagonistas, me irrita um bocado ver o desenrolar de adolescentes, de 12 a 18 anos tendo que se tornarem um modelo de pessoa a qual os outros tem de ter como herói, acho que já tem muitos assim e poderiam fazer uma distopia diferente, com um personagem mais maduro que tivesse de reaprender as coisas para se tornar um ícone, porque correm o risco de se tornarem distopias muito parecidas!

    ResponderExcluir
  6. Adoro protagonistas femininas. Em distopia então. Contudo, depois de Jogos Vorazes e Divergente ter distopias em trilogia com personagens femininas está virando "moda". #parece
    Eu gostei da resenha e o livro parece ser bom. Acho que vale conferir.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Mariana :) Sou o tradutor do livro Desafio e fiquei feliz por você ter curtido a obra. Realmente, eu concordo que a narrativa a partir de dois personagens diferentes não é algo ao qual estamos acostumados, e talvez nem a própria autora esteja ainda; mesmo assim, acho que isso ajudou a dar uma "cara" bem específica para a história e ajuda a deixar a narrativa mais dinâmica. Achei legal também você ter citado o termo que escolhi para a cerimônia da Toma. Deu um pouco de trabalho encontrar um termo que passasse realmente a sensação de que as mulheres naquela sociedade são pouco mais do que objetos decorativos nas mãos de seus Protetores, mas acho que deu certo. Parabéns pelo blog e sucesso :)

    Abraços,

    Ivar P. Junior -- http://www.ivar.net.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não saia sem comentar!
Queremos saber sua opinião ;)

Postagens mais visitadas