[Resenha Dupla] A Desconstrução e A Evolução de Mara Dyer | Michelle Hodkin

Olá, sou o Caleb Henrique do Viajante Literário e não, você não visitou o feed errado. Estou aqui, honradíssimo, a convite da Mari para fazer uma resenha dupla de uma das minhas séries prediletas desta vida: A Trilogia Mara Dyer, da autora Michelle Hodkin — que, adianto, é incrível! Vem comigo?
Titulo: A Desconstrução de Mara Dyer
Autora: Michelle Hodkin
ISBN: 9788501098580
Grupo Editorial: Record
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 378
Gênero: YA, Sobrenatural

Em um mundo cada vez mais cheio de YA’s e New Adults distintos, porém similares — nada contra, afinal, quanto mais opções melhor —, surge a Michelle com seu incrível livro, que traz — entre tantas coisas mais — uma das melhores e ousadas premissas de todos os tempos e quebra todos os padrões que o gênero em si havia construído.

Meu nome não é Mara Dyer, mas meu advogado disse que eu precisava escolher alguma coisa. Como um pseudônimo. Um nom de plume, como nós, que estudamos para as provas de fim de ano, sabemos. Sei que ter um nome falso é estranho, mas confie em mim: é a coisa mais normal a respeito da minha vida no momento. Até mesmo contar tudo isso a você provavelmente não é sensato. Mas sem minha enorme boca, ninguém saberia que uma jovem de 17 anos que gosta de Death Cab for Cutie foi responsável pelos assassinatos. Ninguém saberia que em algum lugar por aí há uma aluna mediana com uma trilha de cadáveres nas costas. É importante que você saiba, para que não se torne o próximo.

É com essa surpreendente confissão que A Desconstrução de Mara Dyer, primeiro livro da série, se inicia. Uma carta inteiramente direcionada ao leitor. O primeiro fragmento — e o único escrito no presente do indicativo — de uma narrativa desconcertante, quase esquizofrênica, que certamente vai te prender, assustar e, não tenha dúvidas, apaixonar.

Em uma noite fatídica o Tamerlane, um sanatório abandonado de Long Island, desabou; um trágico acidente no qual, apesar de ter milagrosamente escapado ilesa, a jovem Mara Dyer perdeu Rachel — sua melhor amiga, seu namorado Jude e a irmã dele Claire. Após despertar em um quarto de hospital e descobrir que esteve em coma durante três dias e que estava presente no trágico incidente, Mara não consegue lembrar-se do porquê deles terem ido para lá e, menos ainda, detalhar o acontecido; Sintoma de um quadro que os psicólogos chamam de TEPTTranstorno de estresse pós-traumático. Assim, assolada por pesadelos, alucinações, incapaz de lidar com os lugares de sempre e a esmagadora saudade de Rachel — que se faz presente em cada cômodo ou objeto de sua casa, e convencida a se dar a oportunidade de um novo começo, Mara pede aos seus pais para se mudarem. Nova cidade. Nova escola. Novas pessoas. E se você acha que as coisas vão começar a melhorar, ache de novo.

Rachaduras apareceram nas paredes da sala de aula conforme umas vinte cabeças se voltaram na minha direção. As fissuras dispararam para cima, cada vez mais altas, até que o teto começou a desabar. Minha garganta ficou seca. Ninguém disse nada, muito embora a sala estivesse coberta de poeira, muito embora eu achasse que fosse sufocar. Porque não estava acontecendo com mais ninguém. Só comigo.

Em seu primeiro dia de aula, Mara vê Jude, seu ex-namorado morto, encarando-a na escola. Mas também vê Noah Shaw, o típico garoto bonitão e popular do colégio. Cobiçado por todas as garotas e famoso por ter dormido com a grande maioria e, em seguida, as descartado. Com TEPT ou sem, não é preciso mais que isso para saber que esse é um cara a ser evitado e é exatamente esse o objetivo de Mara: evitar mais problemas para sua vida. Tarefa que não se torna tão fácil uma vez que o rapaz parece interessado em se aproximar dela — e acho que essa é a hora em que você pensa que o livro não parece assim tão diferente de outros tantos YA’s sobrenaturais, mas acredite em mim, é sim. Muito.

Lutando contra seus próprios demônios e tentando não se envolver com o famoso garoto-problema, a vida da Mara parece uma montanha russa. Coisas acontecem. O tempo todo. E você se flagra surpreso, encantado, assustado — palmas para a Michelle nesse quesito, pois eu quase tive uma taquicardia, compadecido e talvez um pouco irritado, mas indiscutivelmente apaixonado e instigado a entender e descobrir mais desse imenso mistério que a rodeia.

O romance, apesar de ser quase um aspecto secundário da obra, não é o típico romance bonitinho, mas é quente. O clima entre os dois é tão ardente que você quase consegue enxergar — mas, repito, a vida da Mara só piora e é impossível não se compadecer com a quantidade de injustiças; ou não se surpreender com quão forte ela consegue ser.

— Não há nada que ninguém possa fazer para consertar isso — eu disse baixinho. Finalmente. Mas então Noah se voltou para mim. O rosto estava anormalmente aberto e sincero, mas os olhos eram desafiadores ao encararem os meus. Minha pulsação disparou sem meu consentimento.— Me deixe tentar.

É difícil e fascinante descobrir que esse é um livro de estreia, uma vez que a Michelle consegue nos prender de modo indescritível. Há toda uma gama de personagens cruciais e bem construídos sobre os quais eu adoraria tagarelar, mas deixarei o sabor dos primeiros encontros para sua própria leitura. Acontece que não há personagens desnecessários, uma vez que cada um cumpre com o papel imaginado pela autora de forma autêntica. Mais difícil ainda é aprender a conviver com os cliffhangers presentes não apenas nos finais dos dois primeiros livros, mas também entre alguns capítulos e, falando em finais, você certamente vai terminar o primeiro precisando — desesperadamente — do próximo, sobre o qual agora falarei um pouco — sem spoilers, prometo.

Titulo: A Evolução de Mara Dyer
Autora: Michelle Hodkin
ISBN: 9788501098597
Grupo Editorial: Record
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 406
Gênero: YA, Sobrenatural

A Evolução de Mara Dyer, ao contrário do que acontece com a maioria das sequências, não perde, nem um pouco, o clima do primeiro livro da trilogia. Pelo contrário, a trama faz jus ao título e, de modo ainda mais surpreendente, assustador e apaixonante, evolui.

Você o amará até a ruínaAs palavras ecoavam em minha mente conforme eu corria pelos aglomerados de pessoas que gargalhavam. Luzes intermitentes e gritos prazerosos se misturavam em um tumulto de som e cor. Eu sabia que Noah estava atrás de mim. Sabia que me alcançaria. Mas meus pés tentaram fazer o que o coração não podia: deixá-lo para trás.


Se quiser um conselho antes de iniciar a leitura deste segundo volume, lhe digo: Prepare seu coração e sua mente. Esse livro vai mexer MUITO com você — e você vai querer mais. Muito e muito mais.

É difícil falar da obra em si sem mencionar algum spoiler sobre o primeiro livro, então nessa segunda parte abordarei um pouco mais sobre os aspectos gerais da série em si, começando por um dos mais legais: o trabalho gráfico. Afinal, boas capas e diagramação ajudam a transformar um livro maravilhoso em algo ainda maior. E as capas dos livros desta trilogia são de arrebatar qualquer coração, afinal, além de serem lindas, conseguem transmitir piamente o ar sombrio presente na série. As fotos fazem parte de um ensaio fotográfico chamado Abyss of the Disheartened, da incrível fotógrafa e ilustradora Heather Landis (veja mais).

Falando em aspectos sombrios, esse segundo livro é um thriller capaz de deixar qualquer um assustado e boquiaberto, principalmente no final. Isso se deve ao modo realista e vívido com o qual a Michelle Hodkin escreve; nos levando a questionar se, mesmo às situações mais absurdas, podem, afinal, acontecer na vida real.

Eles chacoalhavam minha jaula para ver se eu mordia. Quando me soltassem, veriam que a resposta era sim.

O terceiro e último livro The Retribution of Mara Dyer foi lançado dia 04/11 nas terras do tio Sam e, provavelmente, dará as caras em nossas livrarias em meados de 2015 — e espero que a Galera Record traga a Michelle Hodkin à Bienal. Confesso que não aguentava mais esperar e comprei tanto o livro físico quanto o e-book em pré-venda e o devorei — amando cada milésimo de segundo da leitura, mas esse é um assunto para outra hora. Por fim, só para aguçar um pouco mais sua curiosidade, acho válido ressaltar que o livro é, ao menos em partes, baseado em fatos reais.

E como há braços, abraços.
Caleb Henrique

Comentários

  1. Excelente resenha! Logo logo estarei lendo. Parece muito massa. Só essas capas já me chamaram a atenção.
    Abraço \o/

    ResponderExcluir
  2. Caleb me encheu a paciência (FALO MERMO) pra ler essa série e tive que passar a série na frente da minha meta de leitura. Estou lendo The Retribution of Mara Dyer e algo está se quebrando dentro de mim. Pq a Michelle está arrasando meu fraco coração? A odeio por isso! E odeio Caleb por me fazer morrer por essa série u_u

    Amei sua resenha, mocinho.

    Beijos e abraços :)

    ResponderExcluir
  3. Vou passar minha meta tambem!!!! Ainda bem que tenho os dois!!! Uhuuul....... resenha mara!!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não saia sem comentar!
Queremos saber sua opinião ;)

Postagens mais visitadas