[Das Páginas Para as Telas] Caminhos da Floresta (Into The Woods)

Título: Caminhos da Floresta
Título Original: Into the Woods
Distribuidora: Disney / Buena Vista
Diretor: Rob Marshall
Elenco:  Meryl Streep, Emily Blunt, James Corden, Anna Kendrick, Chris Pine, Johnny Depp, Lilla Crawford, Daniel Huttlestone, Tracey Ullman, Christine Baranski, Mackenzie Mauzy, Tammy Blanchard, Lucy Punch, Billy Magnussen, Annette Crosbie, Joanna Riding, Frances de la Tour, Richard Glover, Simon Russell Beale.
Gênero: Musical, Drama, Fantasia
Sinopse: Um padeiro e sua mulher vivem em um vilarejo, onde lidam com vários personagens famosos dos contos de fadas, como Chapeuzinho Vermelho. Um dia, eles recebem a visita da bruxa, que é sua vizinha. Ela avisa que lançou um feitiço sobre o casal para que não tenha filhos, como castigo por algo feito pelo pai do padeiro, décadas atrás. Ao mesmo tempo, a bruxa avisa que o feitiço pode ser desfeito caso eles lhe tragam quatro objetos: um capuz vermelho como sangue, cabelo amarelo como espiga de milho, um sapato dourado como ouro e uma vaca branca como o leite. Eles têm apenas três dias para encontrar tudo, caso contrário o feitiço será eterno. Decididos a cumprir o objetivo, o padeiro e sua esposa adentram na floresta.
"Anything can happen in the woods..."
"Qualquer coisa pode acontecer na floresta..."
 Eu adoro releituras - todos sabem disso! Adoro ainda mais quando são dos clássicos. Quem não conhece a história de Cinderela? Ou a de Chapeuzinho Vermelho? Ou Rapunzel  e João e o Pé de Feijão? Acontece que em 1987 juntaram essas quatro histórias em um musical na Broadway. Já houveram duas tentativas para adaptar o musical para o cinema (com direito à roteiro e elenco confirmados), mas ambas foram canceladas até que, finalmente, em 2014 tivemos a confirmação de que Into the Woods (Caminhos da Floresta) estava sendo filmada. Antes de mais nada quero dizer que eu sempre pensei em como seriam as histórias de Rapunzel e de João e o Pé de Feijão nos dias de hoje. A da Chapeuzinho eu consigo pensar em uma ideia, mas não é o mais apropriado para crianças (!) e Cinderela temos várias releituras, mas gostei quando anunciaram que o filme trazia uma nova versão das histórias, porém não nos dias de hoje; até porque Rapunzel e João não são tão mencionados ou adorados como os outros protagonistas de contos de fada e acho que merecem seu espaço também.
"Once upon a time, in a faraway kingdom..."
"Era uma vez, em um reino distante..."
 Posso eleger o Prólogo de Caminhos da Floresta um dos melhores que já vi? Para quem não percebeu (o que é um absurdo, já que no trailer isso fica extremamente claro), o filme é um musical e, ouso dizer: se não fossem as músicas, o mesmo não seria tão envolvente. Logo no Prólogo percebemos a importância que a trama dará para os desejos, lembrando a forma como os contos de fada fazem as crianças sonharem e desejarem viver uma vida perfeita como a de seus personagens favoritos; mas os desejos aqui podem até passar aquela ideia das histórias originais, porém tem um ar mais adulto, mais obscuro - principalmente por causa da floresta.
"You wish to have a curse reversed? [...] Go to the woods and bring me: 1- a cowl as white as milk; 2- a cape as red as blood; 3- a hair as yellow as corn; 4- a slipper as pure as gold."
"Você deseja ter uma maldição revertida? [...] Vá até a floresta e me traga: 1- uma vaca branca como o leite; 2- uma capa vermelha como o sangue; 3- um cabelo amarelo como milho; 4- um sapatinho puro como ouro."
 Caminhos da Floresta nos apresenta, primeiramente, alguns dos morados de uma floresta em "um reino distante". Podemos dizer que o padeiro (James Corden) e sua esposa (Emily Blunt) são o centro de tudo. Eles querem ter filhos há anos, mas não conseguem, até o dia em que a vizinha dos dois, que é uma bruxa (Meryl Streep), resolve fazer uma visita e traz uma revelação: o casal não consegue ter filhos por conta de uma maldição que ela jogou na casa há décadas por conta de um erro do passado do pai do padeiro. Ela, então, resolve dar uma solução: em três dias haverá uma possibilidade de a maldição ser interrompida mas, para isso, eles terão que entrar na floresta.
"If you know what you want, than make a wish."
"Se você sabe o que quer, então faça um desejo."
 O padeiro, mesmo que contra a vontade, ajuda uma menina apelidada de Chapeuzinho Vermelho (Lilla Crawford) e que mora com a avó na floresta. Sua esposa fica sempre comovida pela menina dizer que sua avó está doente e que está sempre com fome, então, de vez em quando, Chapeuzinho pega alguns pães e entra floresta adentro de volta para a casa de sua avó. Mas pode ser que nem os avisos de sua mãe, para que ela não saia do caminho e não se atrase, sejam suficientes para fazer a garota fugir do perigo.
"There are giants in the sky!"
"Existem gigantes no céu!"
 João (Daniel Huttlestone) e sua mãe (Tracey Hullman) vivem em outra parte da floresta e mal tem o que comer. João tem sua vaca como melhor amiga e, apesar de não ter responsabilidade, é um menino bom. Sua mãe decide que, para que eles tenham algo para comer, mesmo que seja pouco, eles precisam vender a vaca. Muito triste, o menino pega um caminho pela floresta para ir até o mercado, mas talvez ele não chegue até lá e sua mãe não fique tão feliz com a troca que ele faz.
"I must find that girl."
"Eu tenho que encontrar aquela garota."
 Cinderela (Anna Kendrick) perdeu o pai quando jovem e vive com a madrasta (Cristine Baranski) e suas duas filhas (Tammy Blanchard e Lucy Punch). Elas abusam de Cinderela a fazendo limpar, cozinhar, e arrumar tudo, além de que não a deixam sair ou se divertir. Foi anunciado de que o Príncipe fará um baile que durará três noites, então Cinderela pensa que, talvez, ela possa em algum desses dias. Porém, como nada é fácil para ela, depois de fazê-la limpar a casa como condição para que a permita ir ao baile, a madrasta dá a desculpa de que ela não tem roupa para ir e que passaria vergonha na frente de todos. Mas talvez isso mude.
"Agony [...] when the one thing you want is the only thing out of your reach."
"Agonia [...] quando a única coisa que você que é a única coisa fora do seu alcance."
 Rapunzel (Mackenzie Mauzy) é a mais solitária de todos: ela está presa em uma torre desde que pode se lembrar, não conhece ninguém além daquela que ela acredita ser sua mãe e seu maior desejo é sair para a floresta. Um dia ela recebe visita de um príncipe, seu desejo de sair da torre só aumenta e isso pode acontecer mais rápido do que ela imagina.
"You're so nice. You're not good, you're not bad. You're just nice. I'm not good, I'm not nice, I'm just right!"
"Vocês são muito legais. Vocês não são bons, vocês não são maus. Vocês são apenas legais. Eu não sou boa, eu não sou legal, eu sou apenas justa!"
 Todos estavam com a maior expectativa para ver Meryl Streep dando vida à bruxa de Caminhos da Floresta. A atuação de Meryl consegue emocionar até quando ela é perversa, mas, principalmente, quando ela canta. Eu gostei bastante da personagem e Meryl a fez de maneira tão perfeita que é impossível encontrar algum erro em sua atuação, nas características da personagem ou em seus diálogos. A bruxa é uma coadjuvante que poderia ser facilmente a protagonista, mas essa responsabilidade fica com o padeiro e sua mulher (dos quais já falaremos).

"Now I understand, and it's time to leave the woods."
"Agora eu entendo, é hora de sair da floresta."
 Gente, para tudo. É o Johnny Depp com cinco fios de bigode um rabo e uivando ali em cima da colina de uma forma... estranha (para não dizer patética, pois é o Johnny Depp e me recuso a chamar ele de patético)? Eu ainda não consigo acreditar que Johnny Deep, O JOHNNY DEPP tem apenas duas cenas no filme. Sério, não consigo. Existiam tantas formas de fazê-lo permanecer em cena. manter o suspense na história da Chapeuzinho e não terminar depois daquela cena bem Disney na barriga do lobo e com aquela música em que ela diz ter "aprendido muitas coisas com o lobo" e me fez, de uma maneira horrível, ver como isso lembra aquilo que mencionei no início sobre uma adaptação moderna de Chapeuzinho Vermelho. Mas, me digam, como o filme vem com a proposta de ser mais dark e tem uma cena como a de Chapeuzinho e sua avó na barriga do lobo? Não tem como, gente!
"- If you love me, why did you stray? 
- I was raised to be charming, nos sincere."
"- Se você me ama, por que me traiu?
 - Eu fui criado para ser charmoso, não sincero."
 Chris Pine também merece seu destaque, Na verdade não ele, mas seu personagem. Ele interpreta o príncipe e, juntamente à Anna Kendrick, é responsável pelo melhor diálogo do filme. O personagem parece nada confiável desde o início (desses que são os galãs, mas apenas bonitos, nada mais do que idiotas bonitos) e, após se perder na trama (sim, pois aquela cena é, no mínimo, desnecessária e forçada na história), seu personagem se "redime" ao afirmar o que, depois de crescer, todo mundo descobre sobre os príncipes e personagens masculinos perfeitos: eles não passam de aparência. Vocês já pararam para pensar nisso? Como nos contos de fada, apesar dos problemas, toda mocinha tem o seu cara certo que é incrivelmente bonito, charmoso e educado? Mas, e além disso? Achei incrível (sim, incrível, de uma maneira bem boba) esse diálogo estar presente em um filme da Disney. Incrível e hilário. E, falando em hilário, o que é a letra e performance de Agony? Vou parar por aqui...
"This is ridiculous, what am I doing? I'm in the wrong story.""Isso é ridículo, o que eu estou fazendo? Eu estou na história errada."
 Falando das músicas, é impressionante a forma como todas elas (tirando Agony, vai) parecem familiares e te dão vontade de cantar junto, mesmo sem saber a letra. As interpretações também não deixam a desejar e, mesmo que sendo um filme, é impossível não se sentir como em um dos espetáculos da Broadway. Acho que a Disney não deixou a desejar nesse sentido, mas a reviravolta na trama foi de surpreender de maneira positiva e negativa. Positiva pois o que estava em nossa cara foi além do que imaginávamos, negativa porque fez a história ficar morna. Demorou para surpreender, demorou para emocionar e, quando o fez, terminou. Porém, nem isso conseguiu apagar as sensações que foram transmitidas até esse ponto da história.
"Wishes come true."
"Desejos se tornam realidade."
 Caminhos da Floresta deixa a desejar em alguns aspectos, mas os pontos positivos nos fazem esquecer dos negativos. Esperava um filme ainda mais sombrio, porém gostei bastante do que acompanhei, mesmo sabendo que não seria a mesma coisa se não fosse um musical. Rapunzel não faz falta (é quase como se não estivesse ali), o Lobo se torna um personagem estranho, temos cenas que nos permitem rir e quebram um pouco o clima, além de uma reviravolta que surpreende. Mas o que marca são as músicas e Mery Streep, sem dúvidas. De qualquer forma, é o tipo de filme que  te deixa com vontade de sair do cinema e entrar já para a próxima sessão (mas dessa vez com as letras das músicas para poder cantar junto).

Comentários

Postar um comentário

Não saia sem comentar!
Queremos saber sua opinião ;)

Postagens mais visitadas