[Resenha] True | Erin McCarthy


Titulo: True
Título Original: True
Autora: Erin McCarthy
ISBN: 9781101623152
Editora: Verus
Número de Páginas: 258
Quando as colegas de quarto de Rory descobrem que a tímida e estudiosa garota nunca passou uma noite com um homem, decidem que vão ajudá-la a perder a virgindade contratando o confiante e tatuado Tyler para fazer o serviço, porém sem o conhecimento dela. Tyler sabe que não é bom o bastante para Rory. Ela é brilhante, enquanto ele está lutando para se formar na faculdade e conseguir um emprego, para, então, poder tirar seus irmãos mais novos da mãe drogada. Mas ele acaba aceitando a proposta, pelo menos como uma oportunidade de conhecer Rory melhor. Há algo nela que o intriga e o faz querer ficar por perto — mesmo sabendo que não deveria.
Divididos entre o bom senso e o desejo, os dois se veem envolvidos em uma relação apaixonada. Mas, quando a família desajustada de Tyler ameaça destruir seu futuro — assim como o dela —, Rory precisa decidir se vai cortar os laços com o perigoso mundo do namorado ou se vai seguir seu coração, não importa o preço a pagar.
"[...] aquela vontade patética e desesperada. O desejo por algo que você quer, mas não pode ter. A necessidade de que alguém goste de você.
 Eu reconheci porque via isso no meu rosto todo dia."


 Eu fiz uma busca sobre Young Adults no ano passado e descobri True, de Erin McCarthy. Vi que o livro, assim como a grande maioria dos YAs tinham a protagonista tímida e o bad boy disposto a ficar com ela. Clichê? Sim, mas eu gosto de YAs, ainda mais quando as mocinhas não ficam se fazendo de coitadas e era isso o que a maioria dos comentários diziam a respeito da obra. Acabou passando bastante tempo até que fosse anunciado que aquele livro, que eu encontrei por acaso, seria lançado pelo Grupo Editorial Record aqui no Brasil. A ansiedade já tomava conta de mim até o dia em que ele chegou aqui em casa e a primeira coisa que fiz foi parar a minha leitura que era atual para começar essa.
 "Ninguém me queria. Mas isso  não significava que eu ão era gente, que eu devia deixar de lado a dignidade e aceitar qualquer tipo de atenção que me dessem, sem me importar se era de uma forma egoísta e violenta."
 Rory é a típica personagem de YAs: faz faculdade, divide o quarto com colegas da faculdade, é tímida, beijou poucos caras na vida e, para completar, é virgem. Mas o livro começa de uma forma um pouco diferente de outros livros do gênero. Já somos logo apresentados aos medos de Rory por conta de uma situação péssima que acontece com ela e já percebemos que ela realmente não é do tipo que se faz de coitada, mas se jogarem na cara dela algo relacionado à virgindade, ela abre a guarda.

 Foi fácil perceber o que a autora queria passar com a personagem: ela nos lembra que a gente pode ter o pior dos defeitos e viver tranquilamente com ele, mas quando um comentário sobre ele sai da boca de outra pessoa, é sempre pior. Já pararam para reparar isso? Você pode ser inseguro, medroso ou ter uma característica que não gosta e conviver com isso muito bem até alguém mencionar isso. Achei legal da parte da autora pois, atualmente, o que mais vemos nos livros são personagens femininas encantadas com os bad boys e até se esquecendo da própria personalidade. Rory não esquece o que quer, lida bem com uma "revelação" sobre os interesses de Tyler e mostra que, apesar de apaixonada, ainda lembra dos seus valores. Mas, Mariana, quem e Tyler? Como eu não mencionei ele antes?
"Foi aí que eu percebi que seria muito fácil me apaixonar por Tyler Mann.
 E que, se eu quisesse que o meu coração fosse partido em um milhão de pedaços, eu precisava ser muito, muito cuidadosa para não fazer isso."
 Tyler Mann é o bad boy de True, porém ele é muito mais do que isso. A relação de Tyler com Rory também começa de uma maneira diferenciada de outros livros do gênero e eu gostei da forma como o relacionamento foi acontecendo. O cara tem caráter, tem uma personalidade forte, mas também se sente inseguro, tem uma relação difícil com a mãe e nos mostra que, não importa a idade, um homem não tem que ter vergonha de estar com a família por pior que ela, ou parte dela, seja. Ele é um personagem muito bem construído e é impossível não gostar dele de cara, não admirar a forma como ele admira a Rory e não se apegar a sua família.
"- Somos oficiais no Facebook, então?
 - Somos mais que isso. Somos de verdade."
 Existe algo que vai muito além do que eu imaginava para o título do livro. E também é o que fez a Verus não traduzir o livro. Eu sei que tem leitores que não gostam quando isso acontece, mas todo livro que li cujos títulos não foram traduzidos tinham um porquê e dessa vez não seria diferente. Não vou contar o que é, mas é algo muito muito bonito e que se torna ainda bais significativo lá para o final do livro. Falando do final, eu senti que a autora deu uma corrida nos últimos capítulos, deixando vários detalhes passarem e chegando, até, a ficarem sem explicação no final, mas aí vi que o livro, na verdade, faz parte de uma série, que é intitulada True Believers e que é composta por outros três livros, além desse primeiro: Sweet (Doce), que traz a história de Jessica; Believe (Acredite), que traz a história de Robin; Shatter (Despedaçar), que traz a história de Kylie.
 Jessica e Kylie são colegas de quarto da Rory e Robin é amiga delas. Eu gostei bastante dessas personagens (sei que muitos vão achar horrível certa atitude delas no início e, por mais ruim que possa parecer, também consegui ver o que a autora queria mostrar) e torço para que os próximos volumes sejam lançados aqui no Brasil logo, principalmente porque, mesmo não focando na história de Rory e Tyler, sinto que esses livros trarão algumas respostas desse primeiro.


 Eu gostei bastante da capa brasileira, mas até que a capa americana me agradou um pouco. Só não gostei da tarja preta abaixo da tarja do título do livro, mas ainda assim, gostei do estilo delas. A diagramação do livro é simples, as fontes e espaçamento agradam na hora da leitura e as folhas amareladas também ajudam no rendimento da mesma. Eu li o livro em dois dias, pegava para ler a qualquer minutinho livre, e acabei bem rápido porque a narrativa de Erin é bem gostosa e rápida de se acompanhar. No final, como já disse, o livro passa mais rápido do que deveria, mas certeza que é por conta da série e espero que a autora me surpreenda nos próximos livros também.
"Eu sabia que tinha seguido um caminho sem volta.
 Eu estava profunda, louca e verdadeiramente apaixonada pelo Tyler, tanto que quase doía."
True é um livro que nos apresenta personagens carismáticos e um enredo forte que vai muito além do romance. Erin McCarthy prende o leitor do início ao fim e deixa questionamentos que provavelmente só terão suas respostas nos outros livros, mas isso não deixa a desejar e, sim, nos deixa com aquele gostinho de quero mais.