[Resenha] Em Busca de Abrigo | Jojo Moyes



Título: Em Busca de Abrigo
Título Original: Sheltering Rain
Autora: Jojo Moyes
ISBN: 9788528610840
Grupo Editoria: Record
Editora: Record
Número de páginas: 434
Gênero: Drama, Romance
Sinopse: A nova edição do romance de estreia da autora vencedora do prêmio RNA com A casa das marés. Na noite da Coroação da Rainha Elizabeth II, em 1953, a comunidade de expatriados de Hong Kong se reúne para celebrar o evento com uma festa. Enquanto os convidados tentam ouvir a cerimônia em um rádio antigo, Joy, uma jovem de 21 anos, se apaixona. Menos de vinte e quatro horas depois da festa, ela já está prometida em noivado ao rapaz, mas só tornará a se encontrar com o noivo um ano depois. Em 1980, um ato de rebeldia faz Kate, aos 18 anos, fugir do Condado de Wexford, na Irlanda, com sua filha ilegítima. Quinze anos mais tarde, Sabine deixa Hackney, o elegante bairro onde mora, em Londres, para visitar os avós que jamais conheceu e descobre que Wexford parece ter parado no tempo. Quando Sabine, sua mãe e sua avó voltam a se encontrar, um segredo de família cuidadosamente guardado é descoberto, bem como algumas verdades importantíssimas: o conflito entre o amor e o dever, as escolhas que as mulheres são obrigadas a fazer e o relacionamento entre mães e filhas. 

 Que Jojo Moyes é uma das minhas autoras favoritas vocês já sabem, mas talvez não saibam que Em Busca de Abrigo foi seu primeiro livro publicado. Ele já havia sido publicado pela Editora Bertrand Brasil em 2004 aqui no nosso país e, depois de conhecer a escrita de Jojo em livros mais recentes, fiquei muito curiosa para ler seus primeiros livros publicados. Ainda mais depois de conversar um pouco com ela e entrevistá-la para o ML (leia a entrevista aqui). Fiquei muito feliz quando a editora anunciou a nova edição do livro com essa capa linda e, de quebra, mais dois relançamentos: A Casa das Marés e Baía da Esperança

 Nesse livro conheceremos três mulheres da mesma família e de gerações diferentes. A primeira que iremos conhecer é Joy, no ano de 1953. É a noite da coroação da Rainha Elizabeth II, a comunidade de expatriados de Hong Kong está reunida em uma festa para celebrar o acontecimento e acompanhar a cerimônia. Ou, pelo menos, tentar. Joy, para começar, nem queria estar ali. Aos 21 anos ela não é como as outras mulheres de sua idade que sonham em se casar, odeia reuniões da alta sociedade e não suporta o fato de ser tão alta que precisa olhar para baixo ao falar com qualquer pessoa da cidade. Na festa ela acaba bebendo demais, passa mal e, enquanto vomita, as pessoas estão tentando fazer o rádio funcionar para acompanhar a cerimônia que está prestes a começar. Mas parece que existe outro alguém que está tão interessado quanto ela na cerimônia. E no dia seguinte eles podem estar noivos.

 Depois de conhecer Joy, saberemos que mais de 20 anos mais tarde Kate, uma garota de 18 anos, foge do Condado de Wexford, na Irlanda com uma filha. E, então, 15 anos mais tarde, Sabine está a caminho de Wexford para passar um tempo com a avó que nunca conheceu. Sabine é filha de Kate. Kate é filha de Joy. Temos três histórias diferentes que, juntas, são a história de uma família. O que resta saber é se essas três mulheres que tem segredos e personalidades diferentes conseguirão se relacionar como família. Coisa que elas não fizeram antes.

 Lendo o livro me lembrei de uma das inúmeras entrevistas que assisti de Jojo. Uma em que lhe perguntaram se, depois de tantos livros, ela sentia que sua escrita havia mudado. A autora disse que sim e que ela percebeu que, nos primeiros livros, a história demorava a começar. E é verdade. Eu amei o início e sua escrita continua instigante, mas percebi que se eu tivesse lido este livro de Jojo antes de Como Eu Era Antes de Você e A Garota Que Você Deixou Para Trás, eu teria gostado mais. Por que? Porque ela estava certa. Nos livros mais novos ela faz cada coisa acontecer em seu tempo, mas em Em Busca de Abrigo, percebi que existiam muitos pensamentos das personagens que acabam sendo desnecessários pois já sabemos o que ela irá pensar a respeito. Por um lado é algo bom, já que você percebe que já conhece e tem uma ligação com o personagem, por outro, parece que com tanta explicação as coisas realmente demoram a acontecer.

 Mas isso não me impediu de gostar do livro, ainda mais com protagonistas tão diferentes que trazem uma história incrível. Joy tem uma personalidade bem difícil e é uma mulher forte. Kate ama a filha incondicionalmente, mas parece, em um primeiro momento, uma mulher carente em busca de algo mais. Sabine me pareceu bem chata em suas primeiras páginas por causa de seus pensamentos em relação à sua mudança e sua mãe e sua avó, mas iremos compreender a personagem ao longo da leitura. Jojo consegue (e isso não mudou com o tempo) apresentar personalidades, destinos e histórias diferentes que nos envolvem, nos fazem refletir e nos deixam ensinamentos importantes.

 Eu amei demais demais demais a nova capa. Gosto de a Jojo ter uma "marca" por causa das capas e fontes na mesma e essa eu acho que chama bastante atenção. A capa da edição mais nova no Reino Unido também é bonita e no "estilo Jojo", mas ainda prefiro a capa brasileira. 

 Em Busca de Abrigo foi uma ótima leitura, mas é impossível não ler um livro de um autor sem comparar com outros. Não falo de comparar as histórias e, sim, o desenvolvimento, então, até agora este é o livro de Jojo Moyes que menos gostei, porém as personagens descobrindo mais de si mesmas, os segredos revelados, o amadurecimento do enredo e as mensagens marcantes só me fazem reforçar a ideia de que Jojo é uma autora incrível desde o primeiro livro.

E, como é a Jojo, eu não vou deixar vocês tão curiosos por muito tempo. Clique na imagem abaixo e participe: