[Resenha] Cinco Dias | Julie Lawson Timmer


Título: Cinco Dias
Título Original: Five Days Lefy
Autora: Julie Lawson Timmer
ISBN: 9788581636955
Grupo Editorial: Novo Conceito
Selo: Novo Conceito
Número de páginas: 368
Gênero: Drama
Sinopse: Até que ponto você estaria disposto a se sacrificar por amor?
Mara Nichols é uma advogada bem-sucedida, esposa e mãe dedicada. Ela está doente. Uma doença devastadora. Ela precisa colocar um fim ao sofrimento dos últimos tempos.
Scott Coffman é um professor do ensino fundamental que precisa cuidar de um garoto de oito anos enquanto a mãe do menino cumpre pena na prisão.
Mara e Scott têm apenas cinco dias para dizer adeus àqueles que amam. Essa talvez seja a maior prova de amor que poderiam dar a essas pessoas.
"Sem perguntas, sem comentários, nem compaixão, nem julgamento."
 De forma paralela e dividido em seis partes, conhecemos os dramas de dois personagens que praticamente terão suas vidas decididas em Cinco Dias.

 Mara Nichols é advogada, tem um marido dedicado e uma filha chamada Laks. Só que Mara está tendo que enfrentar o pior momento da sua vida: uma doença terrível que com o tempo vai se agravar e ela não sabe se até lá suportará os sintomas da doença de Huntington. Eu não conhecia essa doença, pesquisei e através da leitura fui entendendo realmente o que a personagem sofreu, pois a doença faz com que haja perda progressiva de células nervosas que ficam em partes especifica do cérebro. Os sintomas aparecem gradualmente, mas variam de pessoa para pessoa. Mara já sabia o que fazer sobre sua doença. Tinha certeza de que gradativamente seus sintomas iriam piorar e tomou uma decisão: sua vida duraria por mais cinco dias. Prometeu para si mesma que escolheria uma data e que viveria intensamente até seu fim. Mas como se despedir de um filho e de quem amamos? 

 Scott Coffman é professor e é casado com Laurie. Ele cuida de um menino de 8 anos, Curtis, enquanto sua mãe está presa. É impressionante a relação que os dois tem. Scott é um pai para o menino, daqueles que a gente para pra admirar, mas infelizmente sua esposa, que está grávida, demonstra insatisfação com a relação dos dois por ciúme. Laurie sempre sonhou em construir sua própria família e aceita cuidar de Curtis com a condição de que assim que sua mãe fosse solta, o menino voltaria para sua verdadeira casa. Mas como Scott iria abandonar o menino? Faltava cinco dias para esse dia chegar e ele já sofria só de imaginar.
"Você vai ser o amor da minha vida. Para o resto da minha vida"
 Decisões importantes, vidas conturbadas e despedidas, mesmo que de formas diferentes, passam os sentimentos dos personagens e principalmente tristeza para o leitor. Mara e Scott foram personagens distintos mas com um dilema de perder quem amavam. Ao decorrer da leitura é passado todo o sofrimento de Mara, os sintomas de sua doença se agravando e aquela agonia pela forma como ela encontrou para "se resolver". Foi agoniante ver a contagem de dias a cada página. E ela foi a personagem que tem mais destaque, já que apesar do sofrimento de Scott, de acompanharmos sua tristeza ao saber que perderia a guarda de Curtis e de nos colocarmos em seu lugar, Mara foi a personagem mais bem construída. 

 Durante toda a leitura eu me perguntava se ela havia escolhido o dia certo, se algo a impediria, se aquela cena era um adeus. Ela foi a personagem que me envolveu de fato por ser uma mulher guerreira, forte e determinada. Quantas vezes ela sofreu escondida atrás da cortina para que sua filha não a visse chorando? Quantas vezes ela se escondeu só para não constranger seu marido? Quantos vezes ela demonstrava estar forte mas queria desabar? E , se sua atitude foi certa? Não sei. Mas com certeza ela teve que ser forte e soube fazer de tudo para que esse fim não fosse qualquer fim.
"Registre tudo." 
 A autora Julie Lawson Timmer soube deixar o leitor angustiado com cada fase da doença de sua personagem Mara e historia de Scott foi uma bela demonstração de amor, mesmo que a autora tenha deixado sua história um pouco de lado. Cinco Dias lembra o leitor que quando amamos alguém temos que parar de ser egoístas e ceder. E ceder não tem nada a ver com ser submisso a algo ou a alguém. Às vezes temos que nos perguntar como seria a vida sem aquela pessoa ou se vale a pena uma briga que só trará sentimentos ruins, pois em toda relação que existe o verdadeiro amor vale a pena refletir muito bem. Afinal, por que perder um amor por nada se esse amor é tudo?

:: Por: Thatiana Mortani