[Resenha] A Menina da Neve | Eowyn Ivey



Título: A Menina da Neve
Título Original: The Snow Child
Autor: Eowyn Ivey
ISBN: 9788581638010
Grupo Editorial: Novo Conceito
Selo: Novo Conceito
Número de Páginas: 352
Gênero: Drama
Sinopse: Alasca, 1920: um lugar especialmente difícil para os recém-chegados Jack e Mabel. Sem filhos, eles estão se afastando cada vez mais um do outro. Em um dos raros momentos juntos, durante a primeira nevasca da temporada, eles constroem uma criança feita de neve. Na manhã seguinte, a criança de neve some. Dias depois, eles avistam uma criança loira correndo por entre as árvores. Uma menina que parece não ser de verdade, acompanhada de uma raposa vermelha e que, de alguma formam consegue sobreviver sozinha no frio e rigoroso inverno do Alasca. Enquanto Jack e Mabel se esforçam para entender esta criança que parece saída das páginas de um conto de fadas, eles começam a amá-la como se fosse sua própria filha. No entanto, nesse lugar bonito e sombrio, as coisas raramente são como aparentam, e o que eles aprenderão sobre essa misteriosa menina irá transformar a vida de todos.
"Achei que tinha visto algo - disse Jack. - Mas eram apenas meus olhos cansados me enganando."
 Quem aí acompanha as redes sociais da Novo Conceito ficou, sem dúvidas, louco para ter em mãos o marcador de A Menina da Neve, e, claro, ficou curioso para conferir a história. Eu não conhecia Eowyn Ivey e seu livro, mas assim que ele chegou para mim, foi inevitável passar na frente das outras leituras.
"- Sempre em frente!"
 Mabel e Jack se mudaram para o Alasca em busca de uma vida tranquila, sem parentes fazendo cobranças e crianças correndo e gritando pela casa nas datas comemorativas. Não é que eles não gostem de crianças ou da família, mas as lembranças que eles trazem de como os dois não conseguiram ter a vida de casal que queriam. No Alasca eles não possuem amigos, vizinhos para conversar ou alguém próximo suficiente para desabafar. E por escolha própria. Os dois concordaram que poderiam se dedicar mais a cada um, tornar seus laços mais fortes, se estivessem mais isolados. Mabel mente para si mesma ao tentar dizer que é essa a vida que eles queriam e Jack mal consegue conversar com a esposa por não aguentar a situação. Os dois sabem que falta algo, mas o orgulho misturado com a vergonha os impede de admitir.
"Faina? Faina? Onde está você?" 
 A escrita misteriosa, madura e poética da autora foi a primeira coisa que me chamou atenção. Fazia um tempo que eu não lia um livro com a narrativa em terceira pessoa e gostei logo de cara, já que acredito que os livros com essa narrativa tem mais liberdade em apresentar detalhes e envolver mais personagens na história. Dividindo o livro em três partes, a autora começa o livro apresentando os sentimentos mais profundos de seus protagonistas e nos permite saber o que tanto os aflige de maneira calma. Na segunda parte do livro as coisas pareceram acontecer de repente e na última a história volta a ser calma e profunda. A leitura não mantém o mesmo ritmo, devo dizer,  e isso possui um lado bom, que é a quantidade de emoções que a mesma traz, e um lado ruim, que é a perda de empolgação em alguns momentos.

 Apesar de ter lido as primeiras 100 páginas do livro bem rápido (li os primeiros 5 capítulos no caminho para a faculdade e as outras 50 páginas em um tempo livre), me impressionei de não ter sentindo que havia lido tanto. Primeiro porque essas 100 páginas nos fazem viajar para o Alasca, conhecer alguns de seus habitantes e sua cultura e dificuldades, mas até então, nada realmente aconteceu. Nas primeiras páginas da segunda parte a história avança e, então, depois de páginas de leitura bem rápida, coisas inesperadas acontecem, a história traz emoção e depois volta a tranquilidade na leitura.
"- Ela não entende que a amamos?"
 Mesmo com a inconstante leitura, a autora nos permite conhecer todos os personagens presentes na história. A personalidade de cada um é destacada e os protagonistas não deixam a desejar. Tanto Mabel quanto Jack tem seus pensamentos expostos e não vão contra seus princípios, mas se deixam levar pelo sentimento sincero que sentem pela menina que não é uma total incógnita, mas possui segredos. Apesar de ficar com vontade de ter uma boa conversa com Mabel nos primeiros capítulos (eu não aguentava tanto isolamento, gente!), consegui entender os objetivos da autora e como os protagonistas evoluíram até os momentos finais.
"-É a primeira nevasca. Como naquela noite."
Uma história bonita e tocante é o que faz de A Menina da Neve um livro especial. Eowyn Ivey nos leva ao Alasca para descobrirmos os mistérios que uma menina cheia de segredos trará para a vida de um casal comum. Gostei muito da leitura e, apesar dos poucos altos e baixos na história, o enredo não deixa a desejar.