[Resenha] O Despertar do Príncipe | Colleen Houck

Título: O Despertar do Príncipe
Título Original: Reawakened
Autora: Colleen Houck
ISBN: 9788580414363
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 384
Gênero: Mitologia egípcia, Ação
Quando a jovem de dezessete anos, Lilliana Young, entra no Museu Metropolitano de Arte certa manhã, durante as férias de primavera, a última coisa que esperava encontrar é um príncipe egípcio ao vivo com poderes divinos, que teria despertado após mil anos de mumificação.E ela realmente não poderia imaginar ser escolhida para ajudá-lo em uma jornada épica que irá levá-los por todo globo para encontrar seus irmãos e completar uma grande cerimônia que salvará a humanidade.Mas o destino tem tomado conta de Lily, e ela, juntamente com seu príncipe sol, Amon, deverá viajar para o Vale dos Reis, despertar seus irmãos e impedir um mal em forma de um deus chamado Seth, de dominar o mundo.
"Os antigos não temiam o nosso despertar. Pelo contrário: ansiavam por esse evento. Guirlandas eram postas em volta do nosso pescoço. Éramos tratados como deuses, como príncipes. As pessoas nos ofereciam seu amor e sua devoção. Agora somos repelidos, temidos, transformadora em criaturas de morte e fedor. No melhor dos casos,somos esquecidos; no pior, somos demônios vingativos."
 Eu nunca li nada de Colleen Houck. Me julguem. Vários amigos tentaram me fazer ler a série A Maldição do Tigre e eu nunca me interessei. Quando o pessoal da Editora Arqueiro, falou sobre O Despertar do Príncipe em um encontro de livreiros a história me chamou atenção, ainda mais por eu andar meio interessa e pesquisando muito sobre o Egito antigo, deuses egípcios e etc. A culpa disso é da novela Os Dez Mandamentos - que vai muito além de religião, para quem acha isso. Ela me lembra muito o que eu sentia quando assisti a novela Caminho das Índias (inclusive estou assistindo tranquilamente agora no Vale a Pena Ver de Novo, já que às sextas-feiras tenho apenas aula-online da faculdade) pela primeira vez. Eu adoro conhecer outras culturas, adoro livros que me façam viajar no tempo ou simplesmente conhecer outros países, mas com O Despertar do Príncipe foi muito além disso.
"- O que Seth está nos pedindo sem sacrifício este ano não é um touro de boa estirpe, nem sacos de cereais, tecidos nobres ou mesmo nossos frutos de melhor qualidade. - Fez uma pausa e esperou o povo se aquietar. - Não. Segundo Runihura, Seth nos deu muito, e em troca de tudo o que recebemos devemos oferecer aquilo que nos é mais precioso.
 Após uma breve pausa, concluiu:
- O deus Seth exige que três jovens de sangue real sejam sacrificados a ele para lhe servir eternamente na vida após a morte. - Heru suspirou pesadamente. - Caso contrário, ele jura que fará chover destruição sobre todo o Egito."
 Liliana Yong é uma garota de 17 anos que, aparentemente, tem uma vida invejável: mora em um luxuoso hotel em Nova York com os pais ricos e bem-sucedidos, só usa roupas de grife, recebe uma generosa mesada e tem liberdade para explorar a cidade quando quer. Mas para isso ela precisa seguir algumas regras dos pais, como só tirar notas altas no colégio, apresentar-se adequadamente nas festas com os pais e fazer amizade apenas com quem eles aprovarem. Nas férias de primavera ela vai ao Metropolian Museum of Art e, enquanto pensa em uma maneira de convencer os pais a deixá-la escolher sua própria carreira, se espanta ao ver uma múmia cruzar seu caminho. Na verdade, é um príncipe egípcio com poderes divinos que acaba de despertar de um sono de mil anos.
"Você não está entendendo. Sem os meus jarros, eu preciso compartilhar de sua força vital.
- Compartilhar da minha... Bom, olhe só, é que neste momento eu estou usando a minha força vital, entende?"
 Eu fiquei impressionada com a maneira com que  Colleen me prendeu na leitura. Peguei o livro para ler às 23h30 de uma noite com a desculpa de ler apenas o primeiro capítulo para começar a leitura de vez no dia seguinte, só que não parei de ler e às 01h já estava na página 104. A narrativa em primeira pessoa é descontraída, a escrita da autora é muito envolvente, a leitura se torna rápida logo nas primeiras páginas e o ritmo não é perdido. O livro é dividido em três partes, cada uma delas com uma grande importância e uma introdução que nos ajuda a entender ainda mais os motivos para tudo o que está acontecendo na vida de Amom e Lily.
"Perguntei-me qual seria a sensação de só acordar uma vez a cada mil anos, de ver o mundo mudar e avançar sem mim, de não ter nenhum vínculo com ninguém, nenhum  parente. Ele deve se sentir terrivelmente sozinho. Embora não pudéssemos ser mais diferentes um do outro, eu sabia o que a solidão fazia com uma pessoa."
 Os primeiros capítulos me deixaram fascinada com a história. Saber sobre Amon e seu passado é fundamental para o rendimento da leitura e para o enredo, mas a forma como a autora nos apresenta os fatos torna tudo mais incrível e atraente. Eu conseguia imaginar todos os detalhes e características (não só de lugares e objetos como de pessoas e deuses), viajei com os personagens, torci por eles e queria saber cada vez mais sobre suas histórias. A cada página que virava eu já queria virar a próxima para saber o que ia acontecer, mas quando cheguei ao final gostaria de ler tudo de novo.
"- Nasci em Itjtawy, na época do reinado do Obscuro.
 - Certo. E Itjawy fica em que país, exatamente.
 - Você provavelmente conhece a minha terra como Egito.
 Sério, por que os caras bonitos e interessantes sempre precisam ter um parafuso a menos?"
A relação de Amon e Lily é muito bonita, mas admito ter ficado meio com o pé atrás quando Lily percebe que seus sentimentos estão crescendo. E isso não é spoiler, né, gente? Lily é muito forte e autêntica, mas achei que a autora poderia ser perder por conta da conexão que a protagonista tem com Amon e acabar com sua atitude e autoestima por causa do amor. O contrário aconteceu e Amon também não deixa a desejar. Colleen conseguiu construir todos os seus personagens muito bem e nem vou mencionar Asten e Ahmose porque ficaríamos aqui até amanhã.
"- Sei mais sobre você a cada minuto que passa, jovem Lily. Mesmo sem a nossa conexão, posso ver como você despreza a ideia de submeter sua vontade a outra pessoa, mas precisa entender qe eu não posso deixá-la ir embora. Não precisa ter medo de mim. Não tenho o menor desejo de machucá-la."
 O Despertar do Príncipe é o primeiro livro da série Deuses do Egito e me deixou com muita expectativa para os próximos volumes. Estou fascinada pela história e já imaginei várias coisas que a autora poderia colocar no próximo volume mas não faço nem ideia de como a série poderia acabar - o que é ótimo e me permite ser surpreendida pela autora. Minha primeira experiência com Colleen Houck foi ótima e mau posso esperar por seus próximos livros - mesmo que os Tigres ainda não chamem minha atenção.

 O livro é o prêmio do Top Comentarista desse mês. 
Saiba como participar clicando aqui.