[Resenha] Baía de Esperança | Jojo Moyes


Título: Baía de Esperança
Título Original:Silver Bay
Autora: Jojo Moyes
ISBN: 9788528614220
Grupo Editorial: Record
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 392
Gênero: Romance, Drama
Sinopse: Quando Mike Dormer parte de Londres para uma pequena cidade litorânea da Austrália, a fim de impulsionar a construção de um resort de luxo, vislumbra apenas mais um contrato milionário que lhe permita subir outro degrau da escada empresarial. O destino, porém, lhe reserva algo diferente. Assim começa Baía da Esperança, terceiro romance de Jojo Moyes publicado no Brasil. Baía da Esperança não é uma cidadezinha qualquer, e as tripulações de observação de baleias, lideradas pela enigmática marinheira Liza McCullen, logo vão se revoltar contra o apetite predatório do forasteiro Mike. Quando a megaconstrução começa a ganhar vida, e então se revelam os efeitos na fauna local, os mundos de Liza e Mike se chocam, com resultados dramáticos. Perigos inesperados irão confrontar os nativos, sejam eles criaturas marinhas ou seres humanos. E Mike se vê obrigado a responder à pergunta que paira sobre Baía da Esperança: até onde se pode chegar, antes de acabar por destruir o que se ama?
"[...] quando se vive cercada de tantos segredos como eu, é bom pôr tudo nos seus devidos lugares e ser franca de vez em quando."
 Jojo Moyes é uma das minhas autoras favoritas e, sim, vocês terão que ler isso cada vez que resenho um de seus livros. Baía de Esperança foi sua quinta obra publicada e, por coincidência, o quinto livro que leio da autora. Como já disse nas resenhas de Em Busca de Abrigo A Casa das Marés, a Editora Bertrand Brasil decidiu presentear os fãs da autora com novas edições de seus primeiros livros e eu simplesmente amei isso. Só havia lido livros mais recentes da autora, e estes me deixaram fã da mesma, porém obviamente gostaria de ler os antigos. Infelizmente os dois primeiros não foram tão marcantes quanto os que li anteriormente e este sobre o qual falarei hoje também não conseguiu superar minhas expectativas, mas não há dúvidas: Jojo teve um grande crescimento em 10 anos de escrita.
" Kathleen Whittier Mostyn, você é a mulher mais contraditória que já conheci. – berrou atrás de mim."
 Tendo capítulos narrados em primeira pessoa por vários personagens, Baía da Esperança nos apresenta, principalmente, três mulheres e um homem: Kathleen, uma senhora que administra o antigo hotel de seus pais; Liza, filha de Kathleen, que passou por um mal momento até que começa a fazer excursões e se tornar marinheira; Hannah, filha de Liza, que já sofreu bastante apesar da pouca idade. Elas moram na cidade Baía de Esperança, o novo alvo do empreendedor Mike, que viaja até lá para escolher o melhor lugar para construir um resort. Só que a chegada desse homem vai mudar a vida dessas três mulheres, dos moradores da cidade e dos animais. A construção do resort irá prejudicar a vida de muitos que moram ali, mas Mike, assim como muitos dos moradores de Baía de Esperança, se verá entre a cruz e a espada antes mesmo de ter a chance de escolher entre o dever e o que se ama.
"Ouvi os cantos de amor e perda romperem o silêncio das partes mais profundas do mar, e chorei com eles. Nesses cantos, a gente ouve toda a alegria e dor de qualquer mãe fascinada pelo coração do bebê.”
 A única coisa que me fez dar menos de 5 estrelas foi o fato de eu não ter conseguido me envolver, de verdade, com todos os personagens. Em livros que li anteriormente, Jojo escreveu em primeira e terceira pessoa (minha narrativa favorita), mas não havia focado em tantos personagens e alternado os capítulos tantas vezes com a narrativa em primeira. Isso, para mim, prejudicou a leitura no sentido de trazer informações confusas, porém foi bom para conhecer vários pontos de vistas. De qualquer forma, apesar de ter torcido por alguns personagens, imaginado o que aconteceria em certas cenas e adorado o rumo que tudo tomou, os personagens não conseguiram me ganhar por completo. 

 A escrita de Jojo é sempre simples e muito marcante. Mesmo que este seja um de seus primeiros livros e a autora tenha melhorado muito de lá para cá,  ela não abandonou certas características e não deixa de apresentar uma história completa e cheia de momentos marcantes. Há romance, há vários tipos de relacionamento, e a autora consegue abordá-los de forma intensa e apresentar várias formas de amor. O foco do livro não é no romance de um casal, vai muito além disso. Jojo consegue fazer com que os personagens cresçam junto com a história e, apesar de a narrativa em primeira pessoa ter confundido um pouco os personagens, o enredo completo não deixa a desejar.

 Eu amo as capas de Jojo no Brasil mas, pela primeira vez, fiquei em dúvida se prefiro a original ou a brasileira – quando estas são diferentes. Só agora, escrevendo a resenha, decidi que gostei mais da original pela primeira vez porque. Ao olhar para as duas agora, depois de conhecer a história, a capa ao lado me pareceu trazer mais os sentimentos da história e elementos importantes na mesma.

 Tranquilo e envolvente, Baía de Esperança traz romance e diversas formas de amor. O enredo e os personagens crescem ao longo da leitura, mas a narrativa em primeira pessoa sendo narrada por diversos personagens pode deixar algumas informações confusas, ao mesmo tempo que pode tornar o livro mais completo - basta saber como cada leitor irá reagir a isso. Este não é um dos melhores livros de Jojo, mas, novamente, indico este e os primeiros livros da autora para quem ainda não a conhece. Tenho certeza que acompanhar o crescimento dela até seus últimos livros publicados será incrível e marcante.