[Resenha] A Fuga | Barbara Delinsky


Título: A Fuga
Título Original: Escape
Autora: Barbara Delinsky
ISBN: 9788528619188
Grupo Editoria: Record
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 336
Gênero: Drama
Sinopse: Emily Aulenbach, 32 anos, advogada, casada, vive e trabalha em Manhattan. Idealista, sonhava em representar vítimas de abuso corporativo. Hoje, no entanto, ela gasta seus dias em um cubículo, e as suas maiores ligações na vida são com seu computador, seu BlackBerry e seu relógio. Em uma ação impulsiva, Emily um dia sai mais cedo do trabalho, vai para casa, faz as malas e vai embora. 
Buscando às cegas o futuro e, de forma pouco característica, seguindo mais seus instintos do que o próprio cérebro, ela parte para o norte, em direção a uma cidadezinha nas montanhas em New Hampshire, que conheceu nos tempos de faculdade. Se tivesse de marcar os pontos de virada em sua vida, esse seria o local exato onde fez a primeira curva na direção errada. Mas, por mais doloroso que seja esse retorno, Emily sabe que, se quiser botar sua vida nos eixos, precisa começar por ali.
" Foi ele quem saiu da minha vida. Eu precisava construir uma nova" 
 Às vezes nós questionamos a vida e paramos para refletir se chegamos onde queríamos chegar. Nos perguntamos se somos felizes com o que escolhemos, se realizamos os nossos sonhos, se ainda há uma forma de realizar algo. Cada escolha em nossa vida possui uma consequência, e foi por isso que A Fuga chamou minha atenção. Só ao ler a sinopse me lembrei de como nos sentimos em relação aos nossos sonhos e, falando deles, tem alguém que entende muito de sonhos que dão errado...

 Emily mora em Manhattam, é advogada, é casada com James e tem uma vida que não a agrada. Trabalha onde ela não vê progresso nenhum, o marido nem tem tempo para ela, já que trabalha muito e tem uma rotina cansativa, ela está exausta de tudo e nada a está fazendo bem em uma fase difícil. Até o dia em que ela decide ir embora. Somente ir embora. Não tinha um roteiro de viagem, apenas decidiu fugir. Sem dar satisfação a James, ela deixa tudo, casa, emprego, família, só pensando que não queria mais aquela vida que a sufocava em Nova York.
"Meu destino final dependia do que eu queria, e essa parte era fácil." 
 Acompanhamos Emily em sua busca por si mesma através da narrativa em terceira pessoa de Barbara Delinsky. A autora conhece nos mostrar cada erro da personagem, cada dúvida e cada sentimento. Não apenas da protagonista, aliás. Emily encontra pessoas em seu caminho que são completamente diferentes dela, mas que a ajudarão a seguir suas escolhas. Mas você - assim como eu fiz antes de começar a leitura - deve estar se perguntando como uma pessoa tudo o que já estabeleceu para fugir sem mais nem menos? Ela colocou tudo em risco simplesmente porque ficou entediada? Ela largou tudo por que estava estava frustrada? A verdade é que Emily espera que o passado se encontre com seu presente e construam, assim, um futuro. E eu sei que existem muitos momentos de fraqueza em nossas vidas, muitas dúvidas  e frustrações, mas nada disso fez com que eu me envolvesse de fato com a personagem e com toda a trama.

 Barbara Delinsky apresenta um romance dramático que poderia ser vivido por qualquer pessoa na vida real, onde a rotina nos impede, muitas vezes, de seguir adiante. Ela nos lembra a importância dos minutos perdidos em lamentações ou incertezas e de como devemos estar seguros em cada decisão mas, principalmente, dispostos a aceitar cada consequência. Porém não foi um enredo que trouxe algo realmente marcante. 

A história não apresenta um grande diferencial que a torne empolgante ou personagens que deixam dúvidas, como eu esperava. A autora não deixa nenhuma ponta solta, nem deixa de dar explicações ou de concluir pensamentos, ela apenas não apresentou um algo a mais que tornasse tudo melhor. O final, que eu cheguei a pensar que seria o que salvaria tudo e me deixaria pensando "nossa, não importa qualquer outra coisa, valeu a pena por isso", deixou a desejar também. Só que não posso deixar de dizer que Barbara consegue, sim, enrolar bem a trama sem deixar pontas soltas.

A Fuga não foi uma leitura ruim nem apresenta um enredo que deixe a desejar, apenas não foi um livro que me envolveu de fato ou me fez ficar pensando muito sobre a história depois que a li - foi um livro bom, não muito bom. Barbara Delinsky me deixou curiosa com sinopse, me permitiu conhecer a fundo suas personagens e me proporcionou uma boa leitura, mas não me deixou muito entusiasmada. De qualquer forma, "depois da tempestade vem a calmaria" seria a frase perfeita para definir nossa protagonista e lembrar o verdadeiro sentido de tudo.