[Resenha] O Caderninho de Desafios de Dash e Lily | David Levithan e Rachel Cohn

Título: O Caderninho de Desafios de Dash & Lily
Título Original: Dash & Lily's Book of Dares
Autores: David Levithan e Rachel Cohn
Ano de lançamento: 2016
ISBN: 9788501105158
Grupo Editorial: Record
Editora: Record
Número de páginas: 350
Gênero: Romance, Juvenil
Compre: Amazon
Sinopse: O novo livro de David Levithan e Rachel Cohn que juntos escreveram Nick e Nora Uma noite de amor e música acompanha a dupla Lily e Dash. Ela está doida pra se apaixonar e, pra encontrar o par perfeito, decide criar um caderninho cheio de tarefas e deixá-lo na livraria mais caótica de Manhattan. Quem encontra o moleskine é Dash, e os dois começam a se corresponder e trocar sonhos, desafios e desejos no caderninho, que vai se perdendo nos mais diversos lugares de Nova York.
"Quero acreditar que, apesar de todas as evidências em contrário, há motivo para se ter esperança." (p. 75)
 Não posso me dizer fã do autor David Levithan, já que li apenas dois de seus livros, porém gosto muito de sua escrita e quero muito ler mais livros seus. Rachel Cohn já escreveu dois livros com ele e outros que eu também adoraria ler, só que, finalmente, com O Caderninho de Desafios de Dash e Lily pude ler um livro dos dois autores de uma só vez e preciso dizer: que ótima leitura!
"[...] qualquer coisa que todo mundo não fosse, eu estava disposto a ser." (p. 8)
 Lily está inconformada com a ideia de não passar o Natal em família. Os pais resolveram viajar para comemorar as bodas de prata, o irmão só quer dar atenção para o namorada e o resto dos familiares tem outros afazeres de repente. Até que seu irmão lhe dá uma ideia que pode ajudá-la a sair do tédio e, quem sabe, encontrar alguém para se relacionar: uma lista de desafios esquecida em uma livraria para que alguém a faça. E adivinhem que irá encontrá-la?
"Queria um pouco de crédito antes mesmo de o merecer." (p. 11)
 Dash acaba de se tornar o que ele chama de "órfão voluntário". Ele mentiu para os pais, que são divorciados e não se falam há oito anos, dizendo para cada um que passaria o Natal nada casa do outro. Isso lhe deu a liberdade para ir de casa em casa, além de fazer o que quiser durante os dias que está sozinho. Em um desses dias ele resolve passar um tempo na sua livraria favoritos mas, nesse dia em especial, ele encontra um caderno moleskine vermelho que contém perguntas e desafios. Cabe a ele decidir se os fará ou não. Mas, se os fizer, ele está decidido a não aceitar os desafios sozinho.
"Às vezes pergunto-me como seria me aventurar em um lado mais obscuro do espectro de Lily." (p. 28)
 Eu estava com grandes expectativas para este livro, mas não para que fosse uma leitura super densa, profunda ou complexa e, sim, para que fosse justamente o que foi: uma história leve, divertida e com leitura rápida. Tenho lido livros muito intensos, que me deixaram acordada até tarde ou que me fizeram pensar na história por dias, então estava querendo algo mais leve que fosse rápido e ao mesmo tempo significativo. Gostei demais da maneira como os autores organizaram os capítulos e da maneira como a narrativa em primeira pessoa caiu bem para ambos os personagens. Tanto nos capítulos de Dash, quanto nos capítulos de Lily, podemos ver que os autores podem até ter escrito por perspectivas diferentes, porém fizeram um ótimo trabalho em conjunto que nos faz adorar o resultado.
"Se não tivesse apreciado o nível de sadismo de Lily, teria corrido direto para as montanhas." (p. 48)
 Dash e Lily são personagens distintos e que ao mesmo tempo se completam. É incrível acompanhar a maneira como os dois vão se conhecendo através dos desafios e a maneira como eles vão se apresentando para nós, leitores, ao longo da narrativa. O mais legal, acredito eu, é que nenhum dos dois é perfeito. Eles possuem erros e acertos, são cheios de opiniões e de incertezas, estão prontos para algo novo entretanto esperam algo que já conhecem. É muito bom acompanhar como o relacionamento dos dois vai se desenvolvendo e como o carinho que sentem um pelo outro não acontece de repente. Eles trocam verdades, lembranças e segredos no momento certo, sem que seja tudo repentino, o que torna a leitura ainda mais interessante.

Mas Mariana, você gostou tanto deles que parece uma relação muito profunda e você disse que o livro não era assim. Sim, como falei, o livro não é profundo nem complexo, todavia a relação dos dois é verdadeira demais para não ser admirada. Só o fato de isso tudo começar através da escrita e não ter aquela troca infinita de mensagens de texto já me faz gostar mais dos dois. Sei que é importante que os livros acompanhem nossas vidas e a tecnologia, mas às vezes sinto falta (principalmente na vida real) de pessoas que prefiram o face to face, uma troca de palavras escritas ou algo menos superficial do que a internet.
"Estou tendo dificuldades para entender no que devo acreditar, e mesmo se devo acreditar." (p.189)
 O Caderninho de Desafios de Dash e Lily traz uma incrível narrativa dividida pelos autores David Levithan e Rachel Cohn e personagens que vão além do esperado. Adorei a leitura leve com o toque certo de humor e intimidade e uma grande dose de descobrimento e aventura. Se você estava com dúvida se deveria se arriscar na leitura, pode ir sem medo.