[Resenha] A Garota do Calendário - Fevereiro | Audrey Carlan


Título: A Garota do Calendário - Fevereiro
Título original:  Calendar Girl - February
Autora: Audrey Carlan
ISBN: 9788576865070
Grupo Editorial: Record
Editora: Verus
Ano de publicação: 2016
Número de páginas: 135
Compre: Amazon 
Sinopse:  Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.
"- Oui. Exatamente, ma jolie. O meu compromisso com você é te amar inteiramente durante o tempo em que estivermos juntos." p. 58
 Resenha anterior:


 No mês passado, quando recebi a prova de A Garota do Calendário - Janeiro, logo me perguntei como seria acompanhar uma série de doze livros. Depois da leitura eu tinha duas certezas: eu, sem dúvidas gostaria de acompanhar Mia em sua trajetória e seria muito, muito difícil de superarem Wes (para saber mais dele, e do primeiro livro, confira aqui a resenha).
"Homens com sotaque são insuportavelmente sensuais." p. 11
 No primeiro volume da série A Garota do Calendário conhecemos Mia, uma mulher de 24 anos que precisa pagar uma dívida milionária  de seu pai, que está em coma. Para isso, sua única e última chance é se tornar uma acompanhante de luxo, o que significa que ela seria paga para acompanhar homens em reuniões, trabalhos e etc. Isso não a torna uma prostituta, uma vez que, caso tenha relações sexuais com os clientes, eles devem pagar 20% a mais do valor. Em seu segundo mês na nova profissão, seu cliente é um pintor francês que tem gostos peculiares e, às vezes, inesperados. Como será que Mia irá lidar com ele? Será que o cliente anterior será esquecido?
"Alec Dubois era um cara bizarro. Quem fala assim? 'A manifestação física da nossa união'?" p. 18
 Não há dúvidas de que a escrita de Audrey Carlan é incrivelmente fluída. O livro pode ser fino (tem menos de 200 páginas), mas é necessário uma boa narrativa e escrita para que, nessas poucas páginas, a autora consiga contar tudo o que acontece em um mês com a protagonista, além de não tornar a leitura massante. O tempo passa rápido durante aquele momento em que você está com sua atenção voltada para a história de Mia e, quando você se dá conta, apenas pouco mais de duas horas se passaram. Realmente a autora sabe como te envolver sem exageros ou altos e baixos.
"- Fazer amor? - Eu ri, apesar de suas palavras me deixarem quente e incomodada; elas eram quentes... e me deixaram incomodada; elas eram quentes... e me deixaram incomodada... de verdade!
- Claro, chérie. Os franceses fazem amor. E existem muitas formas de fazer." p. 36
  No final do primeiro livro, depois do último capítulo, me deparei com o primeiro capítulo deste segundo livro e resolvi não ler. Como eu disse na resenha anterior, eu precisava de um tempo, assim como a Mia, para me despedir de Wes e desapegar dele (risos). Ele realmente foi marcante e acredito que a maioria dos leitores pensa o mesmo: irá comparar cada cliente com ele. Alec tem um gosto estranho à primeira vista mas, assim como Mia, vamos nos acostumando com sua personalidade e com sua maneira de se expressar. Sem dúvidas ele consegue passar sua mensagem e traz um diferencial para Mia como pessoa, assim como sua sinceridade e sua visão francesa, digamos assim, são capazes de passar boas mensagens para os leitores também.
"- Por que você não se ama?" p. 41
 A pergunta do quote acima é feira por Alec e, antes disso, já sabemos sobre este fato. Muitas vezes nossa protagonista aborda seu passado e mostra que, apesar de ter seguido em frente, ela não conseguiu apagá-las de fato. Com o trabalho de Alec e servindo de musa para sua arte, Mia terá a oportunidade de conhecer um novo lado do amor e um novo jeito de agir e pensar quando sentimentos são postos em prova.

 Dei 4,5 estrelas para o livro porque ele foi realmente ótimo, entretanto não superou o primeiro, então não seria justo dar 5 estrelas, ao mesmo tempo em que 4 não eram suficientes. E Alec, o cliente de Mia em A Garota do Calendário - Fevereiro pode não ser melhor que Wes, mas suas verdades irão atingir não só Mia, como os leitores de sua história.  Audrey Carlan conseguiu me divertir e, claro, me deixou ainda mais ansiosa para os próximos volumes. Não esperem um livro denso, cheio de questões ou cheio de cenas de sexo. A autora sabe o que está fazendo e o faz com maestria.

Comentários

Postagens mais visitadas