[Crítica] Zoo, baseada no livro de James Patterson e Michael Ledwidge


Título: Zoo
Título original: Zoo
Baseado em: Zoo, de James Patterson e Michael Ledwidge (Editora Arqueiro)
Elenco: James Wolk, Kristen Connolly, Nonso Anozi, Nora Arnezeder, Billy Burke, Alyssa Diaz, Josh Salatin, Lane Edwards e Tom Butler
Duração: Episódios de aproximadamente 45 minutos
Gênero: Drama, Aventura, Ação, Suspense
Sinopse: Quando uma onda de ataques de animais violentos contra seres humanos começa a assolar todo o planeta, o zoólogo renegado Jackson Oz, com sua experiência nos confins da África, terá de descobrir o mistério por trás da pandemia – e Oz terá de correr contra o tempo, pois, à medida que os ataques se tornam mais coordenados e ferozes, diminuem os locais no planeta para as pessoas para se esconderem.
"For centuries, manking has been the dominant species. We've domesticated animals, locked them up, killed them for sport. But what if, all across the globe, the animals decided: 'no more'? What if they finally decided to fight back?"
"Por século, a humanidade foi a espécie dominant. Nós domesticamos animais, os aprisionamos, os matamos por esporte. Mas e se, em todo o mundo, os animais decidissem: 'não mais'? E se eles finalmente decidissem revidar?"
Nora Arnezeder, James Wolk, Billy Burke, Kristen Connoly e Nonso Anozi interpretam Chloe, Jackson, Mitch, Jamie e Abraham, respectivamente, na série Zoo
 Qual seria o real motivo para que animais por todo o mundo estivessem mudando de comportamento e – até os mais domesticados – atacando humanos? Essa é a pergunta que acompanha o telespectador durante metade da primeira temporada de Zoo (na outra metade, ele acredita que encontrou a resposta porém logo verá que há mais mais para ser descoberto).

 Baseada no livro homônimo de James Patterson e Michael Ledwidge, a série Zoo apresenta Jackson Oz (James Wolk), um cara que irá em busca de respostas ao lado do amigo Abraham (Nonso Anozi) depois de acompanharem a mudança no comportamento de animais na África. Eles não sabem ainda, porém Jamie Campbell (Kristen Connoly), uma jornalista, e Mitch Morgan (Billy Burke), um veterinário patologista, também estão querendo entender as alterações nos costumes dos animais em Los Angeles. Chloe Tusignant (Nora Arnezeder), uma vítima de um dos ataques e agente do FBI, acaba sendo um motivo para que todos se encontrem e iniciem uma caçada em busca de respostas e soluções.

 As mudanças da série em relação ao livro estão por toda parte, entretanto, é impossível não ficar empolgado justamente por conta delas. Não são alterações que acontecem do nada e sem motivo aparente, tudo tem o seu porquê e acrescentam muito para a obra. Muitas das perguntas que me fiz durante a leitura e cenas que eu gostaria de poder acompanhar melhor estão na série, o que torna essa uma adaptação muito fiel, ao mesmo tempo em que mostra um diferencial por inovar no enredo.

 As atuações não deixam a desejar, conseguem mostrar os conflitos entre os protagonistas e seus próprios conflitos pessoais, além que a criação de Jamie e Mitch foi mais um ponto alto para a trama. Os personagens interpretados por Kristin Connoly e Billy Burke foram criados especialmente para a série, entretanto parecem se encaixar tão bem na história que às vezes é possível esquecer que não existiam durante a leitura.

 Os criadores acabaram acrescentando e evoluindo aspectos do real motivo para as mutações dos animais, o que fez tudo ser ainda mais profundo e emocionante. Apesar de ter demorado uns três episódios para que eu sentisse firmeza na série, gostei bastante do que conferi e a maneira como eles conseguiram me empolgar me deixa muito ansiosa para a segunda temporada.

 Confira a crítica completa no vídeo: