[Resenha] Sete Minutos Depois da Meia-Noite | Patrick Ness

Título: Sete Minutos Depois da Meia-Noite
Título original: A Monster Calls
Autor: Patrick Ness
ISBN-13: 9788581638249
ISBN-10: 8581638244
Grupo Editorial: Novo Conceito
Selo: Novo Conceito
Ano de lançamento: 2016
Número de áginas: 160
Encontre: Amazon | Skoob
Gênero: Juvenil, Suspense, Drama
Sinopse: Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida. 
A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido. O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade. Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.
"– Às vezes as pessoas precisam mentir para si mesmas acima de tudo." p. 52

 Este seria o quinto livro de Siobhan DowdPatrick Ness lhe dedica o livro e conta aos leitores como a história dela, que faleceu precocemente, se transformou em novas ideias para ele, que teve a oportunidade de lançar um livro que pensa ser o "que Siobhan teria gostado".

 E sabem quando um amigo lhe indica um livro, avisa sobre como você irá se sentir a respeito da leitura e você pensa "Ótimo, estou vacinado"? Foi o que aconteceu comigo antes de iniciar a leitura de Sete Minutos Depois da Meia-Noite. Ao terminar, me dei conta de que essa é uma daquelas histórias que, não importa quantos comentários você leia/escute, nunca estará preparado para a grandiosidade delas.
"– Você não tem medo de mim, não é?
 – Não - respondeu Conor. – Não de você.
O monstro estreitou os olhos.
 – Vai ter – disse. – Antes do fim." p. 13
 Conor é um menino de 13 anos que está passando por algumas dificuldades: sua mãe possui uma grave doença, ele sente como se sua melhor amiga o tivesse traído, as crianças de seu colégio o tratam diferente, um pequeno grupo de garotos insiste em lhe fazer sofrer e, para completar, um pesadelo passou a fazer parte de suas noites, tornando-as ainda mais difíceis. Quando um monstro passa a lhe fazer companhia e chega todas as noites, no mesmo horário, querendo lhe contar histórias, Conor começa a temer o inevitável: terá que contar seu maior segredo para ele.
"– Histórias são o de mais selvagem – disse o monstro com um estrondo. – Histórias perseguem, mordem e caçam." p. 33
 Não demorou muito para que eu me visse envolvida com Conor e, sim, com o monstro. A narrativa de Patrick Ness dá o toque certo de mistério para o enredo e, por mais que queiramos que o protagonista haja de maneira distinta em alguns momentos, o autor nos permite entende-lo. O monstro é, no mínimo, instigante. O motivo para suas visitas é uma incógnita que nos acompanha até os momentos finais da trama, de maneira que torna impossível não lermos cada uma de suas palavras com atenção – reforçando cada vez mais suas afirmações em nossa mente.
"– Nem sempre há um mocinho. Nem sempre há um bandido. A maioria das pessoas fica no meio-termo." p. 53
 As histórias que o monstro contam possuem um propósito: ensinar coisas específicas para Conor, a fim de lhe fazer se sentir seguro para tomar uma decisão. É possível começar a criar algumas ideias do que o pesadelo envolve durante a leitura, entretanto nada nos prepara para sua importância e verdadeira explicação. Tudo faz sentido no final – os pesadelos, as atitudes, a vida de Conor. Tudo te atinge de maneira direta e você não tem chances de escapar. É como se, assim como personagem, você sentisse tudo em sua própria pele, como se uma ligação tivesse sido criada e seus sentimentos fossem compartilhados.
"– Você não escreve sua vida com palavras - explicou o monstro. – Você escreve com ações. O que você pensa não é tão importante. Só é importante o que você faz." p. 149
 "Esse livro é de matar" foram algumas das palavras usadas por minha amiga para me avisar sobre a intensidade do livro. Repito a frase para vocês porque, sim, o livro é isso. Arrepiante, instigante, comovente e arrebatador, Sete Minutos Depois da Meia-Noite é um livro que te pega de jeito e te atinge de todas as maneiras que um livro que fala sobre como realidade e ficção caminham lado a lado pode lhe atingir. Foi o primeiro livro que li no ano, o primeiro que me fez chorar copiosamente, o primeiro que me fez lembrar da importância de valorizarmos o tempo e a verdade.

 Sete Minutos Depois da Meia-Noite chega aos cinemas amanhã.