[RESENHA] TODAS AS GAROTAS DESAPARECIDAS | MEGAN MIRANDA

Faz dez anos que Nicolette Farrell deixou Cooley Ridge, sua cidadezinha natal, depois que sua melhor amiga, Corinne, desapareceu sem deixar rastros. De volta para resolver assuntos pendentes, Nic logo se vê imersa em um drama chocante que faz o caso de Corinne ser reaberto e remexe em antigas feridas. Logo ao chegar, Nic descobre que seu namorado da época está envolvido com Annaleise Carter, a jovem vizinha que foi o álibi do grupo de suspeitos para a noite do sumiço de Corinne. E então, poucos dias após a volta de Nic, Annaleise desaparece. Agora Nic precisa desvendar o desaparecimento de sua vizinha e, no processo, vai descobrir verdades chocantes sobre seus amigos, sua família e o que realmente aconteceu com Corinne naquela noite, dez anos atrás. Todas as Garotas Desaparecidas é um suspense psicológico impactante — contado de trás para frente. Quando você pensa que está seguindo por um caminho conhecido, Megan Miranda — autora revelação no gênero do suspense — vira tudo de cabeça para baixo e nos faz questionar até onde estaríamos dispostos a ir para proteger aqueles que amamos.
 Thriller | 295 páginas | Verus Editora | 2017 | Amazon | Skoob
"Bem-vinda de volta, Nic." p. 21
 Thriller é um dos meus gêneros favoritos – o que indica que ou eu já inicio uma leitura com altas expectativas ou espero, no mínimo, me envolver com a história. Megan Miranda apresenta um enredo muito inteligente em Todas as Garotas Desaparecidas, no entanto, a história não chega de fato a surpreender e isso é muito importante no gênero. Aqui conheceremos Nicolette Farrel, uma assistente social que está noiva e parece ter uma vida bem estável, até que problemas familiares a fazem voltar para sua cidade natal. O retorno causa desconforto, mas é necessário. O problema é que Nic abandonou o passado depois do desaparecimento de sua melhor amiga e, agora, feridas antigas serão abertas após o desaparecimento de uma garota que também fez parte de sua vida.
"Você muda. Mas o passado, ele está lá. A única coisa em movimento é você." p. 34
 Um dos pontos mais altos da trama é a cronologia reversa. Sem dúvidas, essa foi uma das melhores escolhas de Megan Miranda. O fato de acompanharmos a história de trás para frente garante uma leitura um pouco confusa no início, mas a história se torna instigante quando as dúvidas e revelações começam a aparecer. O meio da trama é um pouco impreciso e o problema maior é que a capa, a sinopse e o título do livro nos fazem imaginar muitas possibilidades que, infelizmente, não chegam a nos envolver na trama. A leitura não se torna chata, porém é calma demais para um livro que deveria garantir um mistério intrigante.
"Todos tinham duas caras, e ela olhou profundamente em cada um de nós até encontrá-las." p. 177
 Nic é uma personagem cujas reflexões são importantes para toda a trama. A autora possui um envolvimento com a filosofia, cita Nietzsche e Kierkegaard, por exemplo, e deixa bem claro quais questões quer envolver. O tempo é muito importante durante os 15 dias nos quais a história se desenvolve, a protagonista possui conflitos em relação a ele e lembranças que a deixam um tanto coagida. Durante os diálogos, Nic se torna uma personagem muito real, mas infelizmente não há um diferencial nela que a torne uma personagem querida. Ela não parece confiável, você não torce para ela, para seu final feliz. Torce apenas para que ela alcance logo a verdade e, assim,  sua própria curiosidade irá acabar.

 O elenco de Todas as Garotas Desaparecidas pode não ser marcante, só que os personagens são bem diferentes e as personalidades foram bem construídas. A autora, em diversos momentos, nos lembra como somos capazes de mudar por conta de alguém que gostamos e fala sobre a importância de fazer as escolhas certas, sem esquecer que devemos estar dispostos a lidar com as consequências. Há também a questão dos segredos da cidade e de seus habitantes, além da relação que possuem e as mensagens que tudo isso irá passar, mas, apesar de serem coisas interessantes, não vão muito além disso.
"Nada se mantém neste lugar." p. 275
 Dividido em três partes, Todas as Garotas Desaparecidas possui uma protagonista cheia de marcas do passado e um enredo que tem tudo para surpreender, todavia não o faz. Megan Miranda nos proporciona uma leitura tranquila demais para o gênero de seu livro e, apesar da ótima escolha de narrar sua história através da cronologia reversa, deixa a desejar em diversos pontos. Pode ser uma leitura boa para os que estão começando a se aventurar em thrillers.


Leu esse livro e quer conversar sobre a leitura? Envie um e-mail para magialiteraria.contato@gmail.com.