[Resenha] Para todos os garotos que já amei | Jenny Han

Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.
Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.
Romance | 320 páginas | Editora Intrínseca | 2015 | Amazon | Skoob
"Estou sempre imaginando e especulando sobre outros caminhos." p. 17
 Eu não acredito em coincidências. Acredito que tudo acontece por um motivo e sempre me pergunto, com um sorriso no rosto, o que teria acontecido caso outras escolhas tivessem sido feitas. E é justamente por isso que tenho certeza de que li  Para todos os garotos que já amei no momento certo. Esse livro apareceu inúmeras vezes em meus feeds das redes sociais e diversas pessoas me indicaram a leitura ao longo dos anos mas, mesmo já conhecendo a escrita de Jenny Han, simplesmente nunca havia dado uma oportunidade para a história de Lara Jean. Até que, em setembro de 2017, com a vinda da autora para a Bienal Rio, consegui conhecê-la. Só que não foi algo programado! Eu estava lá com outros propósitos e muitas (eu disse muitas!) coisas simplesmente me levaram ao momento em que a oportunidade, literalmente, caiu em minhas mãos. Conhecer Jenny Han foi maravilhoso! Um momento realmente especial. O que eu não sabia na época era que conhecer Lara Jean seria ainda mais marcante.
"De todas as coisas que guardo, acho que posso afirmar que as cartas de amor são meus bens mais preciosos." p. 7
 Nossa protagonista de Para todos os garotos que já amei é Lara Jean. Uma garota romântica que escreve cartas de amor para se despedir de garotos que, em algum momento, foram amados por ela. As cartas não são entregues, apenas escritas e guardadas com o objetivo de superar o amor passageiro. Um dia, entretanto, todas as cartas são entregues aos seus destinatários e, em meio a diversas mudanças em sua vida, Lara Jean precisará enfrentar mais um desafio e aprender a lidar com as consequências de seus atos.
"Eu me pergunto como é ter tanto poder sobre alguém Acho que não quero isso; é muita responsabilidade ter o coração de uma pessoa nas mãos." p. 39
 Os capítulos curtos são os primeiros elementos que tornam essa história proveitosa. A escrita de Jenny Han é realmente sensível e, por conta da sincera narrativa em primeira pessoa, conseguimos nos conectar com a protagonista rapidamente. Lara Jean se mostra bem insegura no início da história - seja por conta das responsabilidades no colégio, das mudanças na rotina familiar ou das dúvidas em relação ao amor - e uma das coisas mais legais do livro é acompanhar seu amadurecimento. A autora consegue nos fazer enxergar os erros e acertos da personagem sem deixar de torcer para sua felicidade, além de nos deixar tão a vontade ao longo da leitura que é inevitável sentir que Lara Jean é mais do que uma personagem fictícia que estamos acompanhando; ela é uma amiga
"A vida não precisa ser tão planejada. Deixe rolar e veja o que acontece." p. 110
 Outra coisa que me surpreendeu positivamente é o fato de Para todos os garotos que já amei ir além do romance. O título passa a ideia de que tudo girará em torno dos garotos que Lara Jean amou, mas, na verdade, seu verdadeiro significado é o diferencial que as cartas e a entrega das mesmas trarão para a vida da protagonista em diversos aspectos. As questões familiares são muito bem abordadas e isso inclui, claro, a cultura coreana. Lara Jean é americana com descendência coreana e, seja em pequenos gestos ou características, podemos adquirir mais conhecimento sobre certos costumes. Temos também toda a questão da faculdade, uma vez que a irmã mais velha da protagonista, Margot, está indo para outro país e Lara Jean precisa fazer escolhas decisivas que ajudarão em escolhas futuras. Assuntos como amizade, preconceito, diferenças e respeito também são abordados de forma leve e autêntica.
"Cem anos atrás, caras de dezoito anos lutavam em guerras com baionetas e tinham a vida de outras pessoas nas mãos! Eles já tinham vivido muito quando chegavam à nossa idade. O que o pessoal da nossa idade sabe sobre o amor e a vida?" p. 171
 E o romance, claro, é muito, muito envolvente. Em parte por conta do amadurecimento de Lara Jean, mas principalmente por conta da personalidade do garoto que irá lhe conquistar. Não consigo me lembrar, de verdade, de um personagem masculino de romance jovem tão encantador como o que irá acompanhar nossa protagonista em Para todos os garotos que já amei. Ele possui suas dúvidas e sua própria bagagem do passado, porém faz Lara Jean se sentir especial sem precisar de aprovações ou grandes obstáculos. Ele simplesmente a conquista aos poucos (assim como faz com a gente) e (o mais importante) se permite ser conquistado. Ele começa a dar uma chance para os dois antes mesmo que possamos nos dar conta e transparência é um grande diferencial. Ele não tem medo de se mostrar confuso ou de admitir qualquer sentimento, e é ótimo que Jenny Han mostre para suas leitoras que idealizar o cara perfeito não leva a lugar algum. Ser surpreendida, com honestidade e lealdade, é que pode te ajudar a caminhar mais longe.
"Como posso saber o que é real e o que não é? Parece que sou a única que não sabe a diferença." p. 232
 Para todos os garotos que já amei me encantou de uma forma que não consigo nem descrever. Tinha tudo para ser mais um clichê, contudo é uma leitura sobre amadurecimento, sobre como devemos enfrentar o medo para seguir em frente e sobre como devemos nos dar uma chance antes de dar uma chance para outro alguém. Você pode até já ter lido sobre isso por aí, mas te garanto que Jenny Han faz um ótimo trabalho e traz muita verdade e inovação para seu livro que é um romance fofo e adolescente, sim, porém com questões sérias, personagens reais e mensagens inspiradores que são capazes de encantar qualquer um. Lara Jean se tornou uma personagem muito especial  e Jenny Han uma autora ainda mais admirada por mim. 
"Começos são sempre melhores que términos." p. 61